MORDOMIA FINANCEIRA 2 | Pr Tércio | 28.10.18

MORDOMIA FINANCEIRA 2
MOTIVAÇÕES PARA DOAR NA IGREJA
(Mensagem ministrada pelo Pr Tércio em 28/10/18)
2 coríntios 9:7

“Não darei valor a qualquer coisa que POSSUA, a não ser à luz do relacionamento com o reino de Deus. Utilizarei tudo o que POSSUIR para adorar a Deus e promover a glória daquele a quem devo toda a minha esperança no tempo e na eternidade.” David Livingstone

Existe um ditado rabínico que diz que há três formas de se conhecer o caráter de uma pessoa:
“Uma pessoa se faz conhecida por seu copo, seu bolso e sua raiva.” Newton Bonder
O que cada um destes elementos revela sobre mim?

Por que as pessoas dão dinheiro na igreja (dízimo e oferta)? O que isso diz a nosso respeito? Como o nosso relacionamento com dinheiro nos revela?

1. INVESTIMENTO (2 Coríntios 9:6)
Você precisa semear no Reino de Deus! Quem semeia muito no Reino de Deus colhe muito. Isso é uma verdade espiritual. Mas muitos dão porque querem colher muito para si, não por querer ver o Reino, a Igreja de Jesus avançando, crescendo. Quem investe assim revela um coração ganancioso e egoísta e, talvez, por isso mesmo não colha.

2. OBEDIÊNCIA (Mateus 3:10)
A obediência traz alegria ao coração de Deus; na essência, é uma razão genuína para ser um doador no Reino de Deus. O problema de dar pela obediência é o de se relacionar – com a questão do dízimo – com base na lei e não no coração, de fora pra dentro, vivendo com senso de dever cumprido, mérito humano.

3. VISÃO
Crer na visão, no sonho, querer participar, financiar, se identificar com a causa ou com o líder. Essas pessoas acreditam no futuro, olham pra frente, são mobilizadoras, têm anseios por algo mais do que o hoje, sabem aonde querem chegar, apoiar a liderança. Qual o problema? São pessoas que aliam sua oferta à visão ou ao líder. Se a visão ou o pastor mudarem, a fidelidade para. São focadas, determinadas e vivem buscando a perfeição em si e nos outros, e deixam de investir no Reino quando percebem alguma falha na liderança ou alteração na visão – um coração controlador.

4. GRATIDÃO
Existem duas lindas expressões que são chaves para uma vida saudável: me desculpe (ou me perdoe) e muito obrigado. Perdão é o reconhecimento das nossas limitações; ao fazê-lo, reconstruímos pontes caídas e tocamos de novo o coração das pessoas que ferimos. Muito obrigado é uma expressão de humildade. O problema está em se acomodar. De tão gratas, colocam o outro na condição de ter que fazer algo por ela.

Dependendo do coração, muito obrigado é o favorecido esperando que alguém mais faça por ele. Isso o diminui, atinge a sua dignidade pessoal E esmaga o senso de criação e frutificação que Deus lhe deu.
Quem se compromete em ser um dizimista só por gratidão, navega muito bem quando é abençoado, enquanto tem a despensa abastecida, mas quando chega à época do inverno, da seca, da escassez, acha que não tem nada mais para dar e nem mesmo que seja justo dar nesta condição em que se encontra, assumindo a condição de coitado – um coração imaturo e doente.

5. COMPAIXÃO
Essa pessoa não consegue não dar, ser indiferente. Se sente responsável em resolver a dor e a necessidade do outro. Vive espalhando os seus recursos. Se colocam no lugar do outro, sofrem com o outro, convive mesmo quando não consegue resolver. E por muitas vezes cuida tanto dos outros que não cuida de si. Serve tanto que não se alimenta. Dá e não tem nada, equilibra os outros mas vive desequilibrado. Talvez algumas pessoas não encontraram Deus ainda porque você tem se feito “deus” para elas. É bonito, mas na verdade é insustentável e insuportável, porque revela o coração desequilibrado de alguém sincero tentando ser o salvador do mundo.

6. ATO DE ADORAÇÃO (Romanos 5:8, João 10:11-18)
O que é isso? É fazer as coisas com o mesmo coração de Deus. Deus fez o investimento mais alto possível por nós, e o fez por amor. O investimento feito com o foco em mim está errado! Invista por amor a Deus. O investimento de Deus, a obediência de Jesus, a visão divina de resgatar o mundo, Sua Compaixão por nós, tudo foi movido POR AMOR. Por trás da doação de Deus, na pessoa de Jesus, estava revelado o Seu caráter.

O que o ato de contribuir diz sobre Deus e sobre você mesmo?
Quais são as suas motivações para dar ou não dar?
O seu relacionamento com o dinheiro fala sobre você.

Deus está te chamando para:
– Destituir mamom do seu coração.
– Ser livre da ganância.
– Ser liberto do orgulho, do legalismo, do espírito de investidor, da vaidade, do controle, da autopiedade, do vitimismo
– Levantar-se e declarar “eu dou porque sou livre, porque amo a Deus – e não ao dinheiro – porque sou um adorador!”

MORDOMIA FINANCEIRA 1 | Pr Leandro | 21.10.18

MORDOMIA FINANCEIRA 1
(Mensagem ministrada pelo Pr Leandro em 21/10/18)

Quais conceitos (bons e ruins) sobre dinheiro você trouxe de casa?

POR QUÊ FALAR DE FINANÇAS?
Poucas coisas têm tanto poder de transformar nossa vida em um caos como o estresse financeiro. Na Bíblia existem cerca de 50 versículos que falam sobre céu/inferno. Cerca de 500 versículos que falam sobre o Reino de Deus. E 2.350 versículos que falam sobre dinheiro/posse. Mas por que isto? Deus ama as pessoas e sabe que o dinheiro tem o poder de separar casais, pais e filhos, amigos e principalmente diminuir a intimidade que temos com o nosso Senhor (Mateus 6:24). Deus nos ama profundamente e deseja que tomemos as decisões financeiras mais sábias possíveis.

DÍZIMO/CONTRIBUIÇÃO
– Louvor e temor ao Senhor.
– Reconhecimento da soberania do Senhor em nossas vidas.
– Gratidão e alegria.
– Privilégio em contribuir para a expansão do reino de Deus.
– Exercício da fé.

Primeiramente temos que ter uma compreensão que tudo é de Deus. Esse princípio bíblico é um reconhecimento da soberania de Deus nas nossas vidas (Malaquias 3:10). Não podemos achar que Deus é negocial, como se fosse um carnê do Baú da Felicidade. Deus é relacional. Quando retemos o dízimo, estamos retendo o nosso coração de um encontro mais íntimo com Deus. Também fundamental lembrarmos que o princípio do dízimo foi validado por Jesus (Mateus 23:23).
Se possível, agende as suas contribuições eletronicamente. Utilizando a tecnologia dessa maneira, você se habituará a contribuir regularmente. Além do princípio do dízimo, a Bíblia nos ensina a ofertar com alegria, repartindo com generosidade o que Deus nos confiou. (2 Coríntios 9:7-15).

CONSUMO
– Responsabilidade com os recursos.
– Sabedoria nos gastos, buscando em oração a direção do Senhor.
– Consumo com discernimento.
A nossa responsabilidade é fazer ajustes de modo que possamos viver com alegria dentro da provisão de Deus. (Filipenses 4:13)

Antes de qualquer compra devemos fazer três perguntas:
Eu preciso? Eu tenho dinheiro? Tem que ser agora?
Um não para qualquer pergunta adia ou inviabiliza a compra.
Atenção! Uma definição de consumismo: você compra o que não precisa, com o dinheiro que não
tem, para agradar a pessoas que não conhece.

DÍVIDA
Gastos excessivos, cartões de crédito no limite, financiamentos exorbitantes, todas essas dívidas o enganam para que você desfrute – por algum tempo – de um falso nível de provisão. A sensação pode ser boa por um período, mas as dívidas o colocam na condição de escravo dos credores. Por fim, quando tudo ruir, sob o peso de contas impossíveis de pagar, você se descobre sufocado e com um profundo senso de vergonha, desviando o nosso foco do Senhor e danificando relacionamentos.
Simplificar a vida significa viver de acordo com a provisão de Deus para você e trabalhar com diligência para se libertar de quaisquer dívidas que você possa estar arrastando. (1 Coríntios 7:23; Romanos 13:8)

Devemos estabelecer um dia D, ou seja, um dia sem dívidas.
E depois sugerimos os seguintes passos práticos para sair das dívidas:
1) Ore
2) Procure pessoas que possam lhe aconselhar sabiamente
3) Planilhe as dívidas e decida quais pagar primeiro (sugestão: pagar as que possuem a maior taxa de juros)
4) Se possível, negocie com os credores
5) Venda o que não estiver usando
6) Considere obter uma renda adicional
7) Controle ou cancele o cartão de crédito
8) Contentamento com aquilo que tem
9) Considere uma mudança no estilo de vida
10) Não desista
11) E no processo use a palavra: Não. Sair das dívidas requer sacrifícios e quanto mais cedo for dito o não menor será o sacrifício.

Se você assumir um compromisso com os princípios divinos, pode libertar-se das dívidas em menos tempo do que imagina.

INVESTIMENTO/POUPANÇA
Você pode simplificar muito a sua vida adotando a sabedoria da formiga. Reserve uma parte do dinheiro de cada contracheque e provisione esse valor. Qualquer que seja o inverno; a surgir no seu caminho – emergências, contas médicas, aposentadoria, – você estará preparado. Estará preparado inclusive para aproveitar oportunidades de contribuição, quando o inverno atingir a vida de outras pessoas. (Provérbios 30:25)

Fica a dica:
Atualmente está acontecendo uma edição do curso Crow. A próxima acontecerá em 2019.
Uma boa leitura sobre o tema mordomia financeira pode ser encontrada no livro Simplifique, de Bill Hybels.

A FÉ QUE TRIUNFA NA TRAGÉDIA | Pr André | 14.10.18

A FÉ QUE TRIUNFA NA TRAGÉDIA
(Mensagem ministrada pelo Pr André em 14/10/18)
Lucas 13:1-5

POR QUÊ?
Os porquês fazem parte da vida. É geralmente a primeira, ou uma das principais perguntas quando passamos por uma tragédia. De todas as perguntas, essa é a mais profunda e atormentadora. Nenhuma escala pode medir o choque e o horror que assola o sistema nervoso quando recebemos uma notícia ruim.

1. Tragédias fazem parte desse lado da eternidade (V. 1)
Um grupo de galileus havia sido mortos por ordem de Pilatos, um homem conhecido por sua brutalidade contra os judeus e samaritanos em Gerizim. Desse lado da eternidade vamos enfrentar lutas, guerras, crises, doenças, tragédias, coisas difíceis de assimilar e entender. Mas a Bíblia fala sobre um reino eterno preparado para todo aquele que aceitar Jesus como Senhor e Salvador nessa vida. Você já faz parte desse reino?

2. As tragédias acontecem sobre bons e maus (v. 2,3)
Existem dois acidentes mencionados no texto? O que Jesus ensina sobre as causas dos desastres?
Quando tragédias acontecem, naturalmente associamos ao pecado ou à consequências de castigo a algum ato de desobediência. Jesus deixa muito claro que não devemos julgar nossos irmãos quando enfrentam alguma tragédia ou enfermidade.

Podemos dizer que existem dois tipos de tragédia: as anunciadas (situações que foram plantadas e colhidas) e aquelas sem explicação ou causa aparente (que simplesmente não temos respostas). É sobre isso que Jesus está falando no texto. Muitas vezes tragédias acontecem para nos levar a refletir sobre nossa vida e temer sobre uma postura arrogante e sem temor a Deus.

Existia na cultura judaica uma razão para se criticar os galileus. Embora a população da Galiléia fosse judaica em sua maioria, devido à sua localização – vizinha da Fenícia e Síria, vivia inevitavelmente em contato com os pagãos. Isaías usava a expressão “Galiléia dos gentios” (Is 9:1) e Mateus chamava de “Galiléia das nações” (Mt 4:15). Essa convivência havia influenciado o espírito dos galileus, motivando certo relaxamento no fervor religioso, com respeito às tradições farisaicas, que os galileus encaravam com certa liberdade. Daí o motivo de seus irmãos da Judéia julgarem a morte dos galileus como um castigo merecido; entendiam os judeus que suas mortes eram uma punição pelo seu comportamento rebelde e agressivo.

Mas por que então Jesus lembra aos presentes da Torre de Siloé?
Segundo a Bíblia, a Torre de Siloé era uma antiga torre no sul de Jerusalém, que fazia parte da muralha e que caiu na época de Jesus, matando 18 pessoas. Ao mencionar o fato, Jesus ensinou que a morte pode vir sob qualquer pessoa, independentemente de como elas são, pecadoras ou não. Ele passou a ensinar que a necessidade de arrependimento é a verdadeira lição de tais tragédias, devendo ser seguida por todos. As tragédias não respeitam ninguém!

3. As tragédias podem nos conduzir a uma vida de reflexão e temor (v.3)
Para que servem as tragédias em nossos vidas e sociedades? Servem para nos levar a compreender a finitude de nossa vidas e nos fazer perceber como iguais e sujeitos aos mesmos pecados, quedas, problemas e tragédias. Servem para nos mostrar como precisamos temer a Deus e abandonar o mal para que, ao partirmos dessa terra, deixar um legado de temor e fé.

“Deus tem um propósito na vida do Benjamin, ele foi o sobrevivente. A gente crê que a nossa vida é passageira. É dolorido, mas a gente tem que confiar em Deus, porque Ele é quem sabe”.(Berenice, tia do menino sobrevivente)

“A vida é 10% do que acontece comigo e 90% de como eu reajo a isso.” Charles swindoll

Precisamos aprender e ter humildade e temor sobre as nossas crises, enfermidades e tragédias.

– As tragédias não devem ser usadas para julgamentos sobre a vida de pessoas.
– As tragédias podem ser um poderoso instrumento de quebrantamento, humildade e arrependimento.
– As tragédias podem nos levar a questionar nossa maneira de viver.
– As tragédias podem nos levar a questionamentos como: como estamos vivendo? Para quem estamos vivendo? Estamos amando quem Deus nos colocou para amar?

TESTE
O que devemos fazer, a partir desse entendimento, sobre as tragédias deste lado da eternidade?
A. (   ) Nos entregar ao medo e a paranoia.
B. (   ) Viver uma vida sem esperança e permitir que amargura dirija nossos passos.
C. (   ) Analisar a vida das pessoas a minha volta e julgar se as tragédias são resultado de pecado.
D. (   ) Nos entregar a Deus, nos afastar do mal e viver grato por mais um dia, sem deixar o amor parar em nossa vida.

“Não existe um lugar mais seguro, melhor ou mais gratificante do que o centro da vontade de Deus, independentemente de qual seja ela.” Charles Swindoll

A fé que triunfa na tragédia é dependente, humilde e temente ao nome de Jesus, em toda e qualquer situação, e ele nos promete a Sua presença, todos os dias da nossa vida!

A TRAMA DOS CORRUPTOS x GOVERNO DIVINO | Pr Tércio | 07.10.18

A TRAMA DOS CORRUPTOS x GOVERNO DIVINO
(Mensagem ministrada pelo Pr Tércio em 07/10/18)
1 Reis 21

A TRAMA DA CORRUPÇÃO COMEÇA NO CORAÇÃO DO SER HUMANO, PELO…
1. DESCONTENTAMENTO, GAN NCIA, INVEJA (1 Reis 21:1 / Tiago 4:1-3)
2. DESEJAR A QUALQUER PREÇO O QUE NÃO ME PERTENCE (1 Reis 21:3)
3. O ABORRECIMENTO E O INCONFORMISMO SÃO ALIMENTADOS PELO REFORÇO DOS MAUS QUE ME CERCAM (1 Reis 21:4-7)
4. MAU USO DO PODER E DA POSIÇÃO DE AUTORIDADE (1 Reis 21:7 / Romanos 13:1,4)
5. MENTIRA COM FALTA DE PUDOR E ÉTICA MORAL. (1 Reis 21:8-10)
6. ARTICULAÇÃO MALIGNA PARA TIRAR DO CAMINHO QUEM FOR PRECISO. (1 Reis 21:9-14)
7. CONSUMAÇÃO DO ATO PLANEJADO. (1 Reis 21:16)

QUAL DEVE SER A NOSSA POSTURA COMO POVO DE DEUS, DIANTE DA CORRUPÇÃO?
A) IR DE ENCONTRO À CORRUPÇÃO E AO CORRUPTO (1 Reis 21:17-19)
Deus propõe uma postura ATIVA E NÃO PASSIVA, diante da corrupção. É responsabilidade do povo de Deus se posicionar contra ações de corrupção e toda trama que o maligno está estabelecendo contra a nossa nação.
B) DENUNCIAR CORAJOSAMENTE A CORRUPÇÃO E O CORRUPTO (1 Reis 21:19-20;23 / Isaías 5:20-23)
C) DEFINIR A CORRUPÇÃO COMO MAIS DO QUE PAGAMENTO DE PROPINA E ENRIQUECIMENTO ILÍCITO (ou seja, um mal moral ou social) MAS, COMO UM MAL ESPIRITUAL. (1 Reis 21:21-26)
É um mal espiritual, porque é contra Deus também. Simplesmente porque toda autoridade corrupta está indo contra o propósito espiritual central pelo qual Deus constitui as autoridades: proteger, fazer o bem para o povo. (Romanos 13:1-7). E, como todo mal, precisa ser erradicado. Primeiramente da nossa vida, do nosso meio. Depois nossa nação. Essa foi a razão porque Deus não deixou impune a pessoa de Acabe e Jezabel! Sabendo que Ele (Deus) mesmo faria justiça, poderia não ter movido Elias para ir de encontro àquela postura de Acabe e Jezabel. Mas Deus, na terra representado pela Igreja, vai nos levantar para dar passos que sinalizam que o mundo, contudo manipulado pelo maligno, não pode ser entregue à maldade e à corrupção deliberada enquanto a Igreja de Jesus estiver presente nEle.

NESTA BATALHA, QUEM VENCERÁ?
Podemos estar certos de que é uma batalha cuja trama dos corruptos jamais prosperará! Ela não prevalecerá, ainda que aparentemente na terra, o destino dos ímpios já lhes está proposto.

“Pois os ímpios não têm futuro; o fogo destruirá suas casas enriquecidas com subornos.” Jó 15:34 NVT
“Vale mais o pouco que tem o justo do que as riquezas de muitos ímpios.” Sl 37:16 ARC
“Quando os ímpios se multiplicam, multiplicam-se as transgressões, mas os justos verão a sua queda.” Pv 29:16 ARC
“Porque o Senhor conhece o caminho dos justos; mas o caminho dos ímpios perecerá.” Sl 1:6

O QUE DEUS FALOU COMIGO? O QUE EU VOU FAZER A RESPEITO?
– Examinar a minha própria vida e pedir ao Espírito Santo que me livre da corrupção que está dentro do meu coração e não fora.
– Orar pelo meu país e contribuir para a cura do câncer (corrupção) por meio de uma vida de integridade.
– Denunciar responsavelmente todo tipo de corrupção na autoridade que Deus nos concede.
– Orar e lutar pela unidade do nosso país e da Igreja de Jesus, usando as redes sociais para o bem, para edificação do País e da Igreja e não para a divisão.
– Clamar a Deus pelas nossas autoridades para que temam ao Senhor, abençoando-os e não amaldiçoando-os.

“Todos devem sujeitar-se às autoridades, pois toda autoridade vem de Deus, e aqueles que ocupam cargos de autoridade foram ali colocados por ele. Portanto, quem se rebela contra a autoridade se rebela contra o Deus que a instituiu e será punido. Pois as autoridades não causam temor naqueles que fazem o que é certo, mas sim nos que fazem o que é errado. Você deseja viver livre do medo das autoridades? Faça o que é certo, e elas o honrarão. As autoridades são servos de Deus, para o seu bem. Mas, se você estiver fazendo algo errado, é evidente que deve temer, pois elas têm o poder de puni-lo, pois estão a serviço de Deus para castigar os que praticam o mal. Portanto, sujeitem-se a elas, não apenas para evitar a punição, mas também para manter a consciência limpa. É por esse motivo também que vocês pagam impostos, pois as autoridades estão a serviço de Deus no trabalho que realizam. Deem a cada um o que lhe é devido: paguem os impostos e tributos àqueles que os recolhem e honrem e respeitem as autoridades.” Romanos 13:1-7 NVT

“Em primeiro lugar, recomendo que sejam feitas petições, orações, intercessões e ações de graça em favor de todos, em favor dos reis e de todos que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida pacífica e tranquila, caracterizada por devoção e dignidade.” 1Timóteo 2:1-2

APRENDENDO A OUVIR DEUS NAS HISTÓRIAS | Pr Leandro | 30.09.18

APRENDENDO A OUVIR DEUS NAS HISTÓRIAS
(Mensagem ministrada pelo Pr Leandro em 30/09/18)
João 21:25

Peça pro pessoal levar alguma foto da sua história.
Convide alguém da célula (ou você mesmo) para contar uma história da atuação de Deus.
Pergunta quebra-gelo: Quem se matricularia num curso de escutatória?

Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória.
Todo mundo quer aprender a falar… Ninguém quer aprender a ouvir.
Pensei em oferecer um curso de escutatória, mas acho que ninguém vai se matricular.
Escutar é complicado e sutil.
Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito.
É preciso também que haja silêncio dentro da alma.
Daí a dificuldade:
A gente não agüenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor…
Sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer.
Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração…
E precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor.
Rubem Azevedo Alves (1933-2014) foi educador , teólogo ,psicanalista, escritor e pastor.

Jesus amou e cuidou de pessoas e fez isso enquanto contava histórias para as pessoas, as parábolas.
Quando terminava de contá-las, fechava a história com um convite: “Quem tem ouvidos, ouça.”
Aprender a ouvir é um convite a relacionamento. É estar à mesa, presente.
“A vida não é uma série de problemas para ser resolvidos, mas uma refeição para ser compartilhada.”

Há aprendizado quando, um dia de cada vez:
#pauso e medito na história de Deus,
#pauso e busco entender a minha história na minha família e cultura de origem e
#pauso para ouvir a história de Deus na história de outros.

Quais histórias você tem escolhido ouvir?
Você pausa para ouvir histórias?

Momentos – bons e ruins, cotidianos e marcantes – pontos altos e baixos da nossa história podem ser
usufruídos ao máximo quando pausamos, olhamos pelo retrovisor o que passamos e na companhia de
Deus refletimos no que aconteceu, assimilamos as lições e cultivamos nosso relacionamento com Deus e
com o próximo, e assim, avançamos.

Ao pausar para ouvir, você deu o primeiro passo para ouvir a Deus… A partir daí, fique atento às suas
reações com o que ouvirá. Elas são indícios se você está assimilando o que Deus quer ou se você está
simplesmente passando pelas situações no modo automático.

Como você reage ao ouvir histórias da atuação de Deus?
Quais são teus pensamentos? Teus sentimentos?

Jetro, ao ouvir Moisés, se alegrou com tudo o que o Senhor havia feito. (Êxodo 18:7-9)
Já as pessoas que estavam interrogando Estêvão, ao serem confrontados pela história de Deus, resistiram, fecharam o coração e inclusive taparam os ouvidos (Atos 7:51-58).
A história de Deus por vezes nos conforta. Em outras situações nos confronta.
Como você lida com o confronto do Alto?

À medida que vamos aprendendo a ouvir Deus na história da nossa família de origem, reconhecemos
aquilo de bom que nos foi ensinado e também passamos a identificar padrões de comportamento
destrutivos se repetindo. (Por exemplo, o padrão da mentira se repetindo na família de Abraão)

Há uma história antes da história.
Você hoje olha com maturidade pra sua família e cultura de origem?
Sabe reconhecer aquilo que foi bom? Sabe ser grato por isso?
Sabe que hoje é sua responsabilidade não levar adiante aquilo que não é bom?
Uma dor não tratada você acaba por passá-la adiante. Você tem buscado a cura para as suas feridas, suas dores?

Ao aprender a ouvir a Deus nas histórias, entendemos que ele nos convida a trazer à memória aquilo que
traz esperança. Somos “aqueles que se lembram”, criados para relembrar o passado, criados para contar
histórias. (Deuteronômio 4:9-10)