RECONSTRUINDO DE DENTRO PRA FORA | Pr Junior | 30.12.18

RECONSTRUINDO DE DENTRO PRA FORA
(Pr Junior, 30/12/18)
Neemias 1:1-4; 11c; 2:4-5

Deus tem nos ensinado um valioso princípio que perpetuará por toda a eternidade: Preocupe-se em SER antes de FAZER. E essa palavra precisa ecoar no coração de todo o discípulo de Jesus, principalmente para aquele que serve o Reino de Deus com dedicação e amor. Queremos encerrar o ano agradecendo a Deus pelas RESOLUÇÕES tomadas e a dedicação de todos e, encorajá-los, por meio da Palavra, a continuar trabalhando na expansão do Reino de Deus.

PANO DE FUNDO
* O povo de Israel tinha sido liberto do cativeiro da Babilônia;
* Jerusalém permanecia destruída;
* Hanani, irmão de Neemias, veio de Judá com outros homens;
* Neemias pede um relatório de como estava o povo e Jerusalém;
* Ele recebe… se entristece… ora a Deus e pede autorização ao rei Artaxerxes para reconstruir a cidade.
* Neemias recebe autorização do rei… recebe o encorajamento de Deus… recebe ajuda do povo e inicia a reconstrução.

NÃO É A NOSSA HISTÓRIA?
* Somos liberto do mal, do cativeiro eterno…
* Buscamos informações de algum ministério, de alguma igreja…
* Nos entristecemos com a injustiça, com o sofrimento…
* Observamos as necessidades do Reino, das pessoas, da comunidade…
* E nos colocamos à disposição para servir.

Três observações que podem nos ajudar a servir melhor na construção do Reino de Deus.

1) ENQUANTO TRABALHAMOS PARA DEUS, DEUS TRABALHA EM NÓS.
Enquanto o povo reconstrói os muros, Deus reconstrói o povo.

Enquanto o povo se dispunha ao serviço, Deus gerava mudanças de dentro pra fora.
– Admitiam suas mazelas (1:6b)
– Confessavam seus pecados (1:7)
– Lembravam das promessas que Ele tinha feito (1:8-9)
– Reforçavam Sua paternidade (1:10a)
– Reconheciam o Seu poder (1:10b)

Eles não deixavam de adorar, de buscar e de crescer, mesmo servindo e trabalhando intensamente.
Esse é o grande desafio para quem serve constantemente: aprender a receber, a buscar de Deus.
O que vocês faz para o Reino é lindo e especial demais e provavelmente não seríamos o que somos sem o seu trabalho. Mas esse trabalho não pode parar a obra que Deus quer fazer em você.

2) ENQUANTO TRABALHAMOS PARA DEUS, PESSOAS SE LEVANTARÃO CONTRA NÓS.
Enquanto o povo reconstrói a cidade, pessoas se opõem à eles.

Sempre vamos encontrar oposição em quase tudo que fizermos. E normalmente, quando servimos, nossa atenção às pessoas fica mais apurada. Com isso recebemos palavras de encorajamento, gratidão, mas também de dispersão, distração.

Depois que Neemias assumiu a responsabilidade de reconstruir a cidade, começou a surgir oposição. Sambalate e Tobias ridicularizaram o povo na frente dos poderosos de Samaria (4:1-2), menosprezaram (4:3), causaram confusão (4:8), planejaram um ataque (4:8). E chegou um ponto que o povo começou a dar ouvidos a essa oposição.

Não é muito diferente de nós, não é mesmo?
O que Neemias fez? (4:14)

Precisamos encarar essa “boa obra” como se fosse a nossa última. Não podemos dar ouvidos aos “Sambalates” e “Tobias” e não podemos desistir da igreja, da família que Deus está formando aqui!

3) ENQUANTO TRABALHAMOS PARA DEUS, PRECISAMOS VIGIAR.
Enquanto o povo reconstrói os muros, eles vigiam.

Enquanto eles trabalhavam, ficavam atentos aos ataques do inimigo. (4:23)
Que inimigo? CrÍticas, ego, preguiça, rebeldia, auto gerenciamento, ignorar a Palavra, ouvir a oposição.

Se não vigiarmos, nossa família pode ficar descoberta. Nosso matrimônio pode ficar vulnerável. A nossa intimidade com Deus pode ser abalada. Consequentemente o Reino é prejudicado.

Saiba que você não se torna mais ou menos especial pra Deus servindo ou não. Um filho não é mais ou menos amado por um pai se ajuda ou não na “arrumação” da casa. O desejo do pai é ver o crescimento e amadurecimento do filho. O serviço é consequência. O caráter sempre precisa vir antes da competência.

Fomos convidados por Deus para participar da construção à imagem de Jesus.
Lembre que o nosso servir não é um fim em si mesmo, mas uma consequência do nosso relacionamento com Deus!

NASCE O REI
(Pr Ranulfo, 23/12/18)
Lucas 2:1-7

Havia uma profecia narrada pelo profeta Miquéias, que era na cidade de Belém da Judeia. (Miquéias 5:2)
O que há de tão relevante com a mensagem do natal? Qual a importância desta data para a história do cristianismo? Quais são as lições que podemos aprender com o nascimento de Jesus?

1) SOBERANIA DIVINA
Deus foi e continuará sendo soberano em seus planos. E sua soberania se envolveu, fez parte do nascimento de Jesus. Quando pensamos em seu nascimento, parece estranho o contexto e local onde Deus planejou para isso acontecer.

Se Deus me consultasse sobre o local onde Jesus deveria nascer, o que eu diria?

Soberania divina é saber que tudo que acontece está sobre o comando de Deus. Existe uma frase que virou jargão: Deus no controle! Ele estava no controle de todos os passos do seu filho amado, como também, está no controle da sua vida.

Jesus poderia ter pedido uma cidade melhor para nascer; ele poderia ter pedido um pai com uma profissão melhor. Mas, ele não fez isso. Ele nasceu em Belém, em um cocho. Seus pais eram pessoas simples, seu pai terreno era carpinteiro. Podemos confiar que Deus não errou com a nossa história, com o lugar onde nascemos, nossa família, pais e irmãos? Sua história não fugiu do plano soberano de Deus.

2) DEUS ESCOLHE O IMPROVÁVEL E O USA PARA MANIFESTAR QUEM ELE É
O lugar para o nascimento do filho amado do Pai era improvável, lugar onde os animais comiam. Que lição de humildade Deus quis passar para humanidade! Agora podemos ter uma compreensão melhor de Filipenses 2:6-9, algo totalmente incompreensível!

Deus resolveu revelar a glória de seu filho em um lugar sujo, habitado por animais. Não menospreze e nem julgue os lugares e pessoas improváveis, pois Deus visita esses lugares e essas pessoas. A mensagem do natal é: ele veio de forma improvável, frágil como um bebê, para entrar na minha fragilidade, para se relacionar comigo e transformar improváveis como eu.

3) ELE VEIO PARA SER O SALVADOR!
Ampliando a afirmativa de que Jesus veio para nos salvar, ele veio para nos salvar…
…do Pecado (Rm 6:23)
…do mundo, que jaz do maligno (1 Jo 5:19)
…de nós mesmos (Pv 14:12)
…do inferno (Ap 21:8)

4) ELE NASCEU PARA SER SENHOR!
A Bíblia relata sobre homens que deixaram Jesus ser Salvador E Senhor. Mas mostra também homens que O buscaram apenas para ter sua salvação. No texto de Lucas, aparecem outras verdades sobre o nosso coração… não havia lugar para ele. Todos querem um Salvador, mas o Senhor poucos querem. Permitir ele ser Senhor do meu casamento, das minhas finanças, da minha vida emocional, da vocação profissional é diferente! Celebrar o natal é reconhecer que ele nasceu para reinar não um governo terreno, mas o nosso coração.

Será que preciso rever meu conceito sobre o natal?
Posso admitir que minha vida não foi um acidente, que Deus sempre esteve e estará no controle dela?
Jesus é Salvador pra mim?
Jesus tem lugar para reinar em minha vida e governar meu coração, como Senhor?

Saiba que você está no lugar certo, dentro da situação certa, para presenciar o milagre de Deus. Não olhe para os improváveis ao seu redor, mas olhe para o próprio improvável que você é e permita Deus ser e fazer a diferença!

JESUS: A LUZ DA VIDA, A LUZ DA VERDADE, A LUZ DA ALEGRIA | Pr Leandro | 16.12.18

JESUS: A LUZ DA VIDA, A LUZ DA VERDADE, A LUZ DA ALEGRIA
(Pr Leandro, 15 e 16/12/18)

O surgimento das luzes é um dos primeiros indícios da época de Natal. Há luzes nas ruas, velas nas janelas, brilho por todo lado. As diversas luzes do Natal devem nos lembrar que existe uma verdadeira luz.

A Luz foi o primeiro ato criativo de Deus no mundo. Nos 40 anos do deserto Deus guiou o seu povo durante as noites escuras com uma grande coluna de fogo. Luz iluminando o caminho, garantindo a presença, segurança e direção. Na construção do tabernáculo, ainda no deserto, Deus não desenha nenhuma janela ou entrada de luz. Da mesma maneira no templo, a única luz existente é o menoráh, candelabro de 7 hastes embebidas de azeite, onde a luz não poderia apagar e assim iluminava o templo (o menoráh era a representação de Deus. O único utensílio que não traz as medidas precisas, pois Deus não pode ser medido).

A Bíblia enfatiza Deus como sendo a Luz do mundo. O Antigo Testamento indica que o tempo que o Messias, o filho de Deus, viria, seria uma luz para o seu povo e para toda a terra. (Isaías 9:2) Ou seja, não só há uma verdadeira luz, mas também que o mundo é um lugar escuro e jamais encontraremos o caminho ou enxergaremos a realidade a menos que Jesus seja a nossa luz.

Em que sentido o mundo está em trevas? Na Bíblia, o termo “trevas” se refere tanto ao mal quanto à ignorância. Veja o que acontecia na época do nascimento de Jesus: violência, injustiça, abuso de poder, gente sem ter onde morar, refugiadas fugindo da opressão, famílias em cacos e uma angústia sem fim. Exatamente como nos nossos dias. E a crença de que somos capazes de nos salvar – de que um sistema político ou uma ideologia tem poder para consertar problemas humanos – só tem levado a mais escuridão.

A mensagem do cristianismo é: “As coisas vão mesmo muito mal, e não temos como curar ou salvar a nós mesmos. As coisas vão mesmo muito mal – contudo, há esperança”. Há uma luz. (João 1:6-9) A mensagem do Natal é que resplandeceu a luz sobre os que habitavam na terra da sombra da morte. A Bíblia não diz que uma luz brotou do mundo, mas que uma luz raiou sobre o mundo. Ela veio de fora. Há luz fora deste mundo, e Jesus, a própria Luz, veio para nos salvar.

Foi nesse contexto que Jesus se apresenta, no ápice da revelação encarnada de que a Luz verdadeira é uma pessoa. (João 8:12) Jesus: A Luz da vida, a Luz da Verdade, a Luz da Alegria. Só Deus tem a vida, a verdade e a alegria que nos faltam e que não somos capazes de gerar. O nascimento de Jesus foi uma vinda planejada e traz consigo a mensagem de que eu preciso ser salvo e de que não sou salvo de modo algum pelo que eu posso fazer, mas, sim, pelo que ele fez. Você e eu não nos salvamos. Deus veio nos salvar.

Quando Jesus, a Luz encarnada, viveu nesta terra, fica explícito como cada encontro de Jesus com cada pessoa era também uma batalha entre trevas e luz. (João 3:1-2; 13:26-30) Quando Jesus morreu na cruz, as trevas desceram sobre a terra. (Mateus 27:45 )

Mas, a Luz do mundo penetrou as trevas a fim de nos trazer para a maravilhosa Luz divina. Trata-se de um presente que só pode ser seu se você estiver disposto a recebê-lo de graça. Ganhar alguns presentes é muito agradável. Alguns presentes são difíceis de receber, pois fazê-lo é admitir os próprios defeitos, fraquezas e a necessidade de ajuda. Receber presente, em algumas situações, significa engolir o orgulho.

Nunca um presente que lhe foi oferecido o fez engolir seu orgulho com a profundidade que o presente de Jesus requer. Natal significa que estamos tão perdidos, tão incapazes de nos salvar, que nada menos do que a morte do Filho do próprio Deus poderia nos salvar. Isso mostra que você não é alguém capaz de levantar a cabeça e levar uma vida moralmente correta e boa. Para aceitar o verdadeiro presente do Natal, você tem de admitir que é pecador. Precisa ser salvo pela graça. Precisa abrir mão do controle da sua vida.

Ninguém fica indiferente à Luz, que é Cristo. No seu nascimento, os pastores e os reis magos o adoraram.
Herodes, entretanto, procurou matá-lo. (Mateus 2:1-3) Esse relato famoso do nascimento de Jesus aparece unicamente no livro de Mateus. Os magos – homens sábios e ilusionistas de terras orientais – foram a Jerusalém quando Jesus ainda era bebê em Belém. Apresentaram-se perante o governante da Judéia, o rei Herodes, e disseram: “Onde está o rei dos judeus recém-nascido?…”. Quando você entra em um palácio e pergunta “Onde está o rei?”, deixará alarmada a pessoa que estiver ocupando o trono. O texto nos fala que Herodes “perturbou-se”. Se você quer ser rei e aparece alguém se dizendo rei, um dos dois terá de desistir da ideia. Só um pode ocupar um trono absoluto.

“Onde está o verdadeiro Rei”? Essa pergunta é a mais perturbadora possível para o coração humano, uma vez que queremos a todo custo permanecer no trono da nossa própria vida. Não queremos servir a Deus e ao nosso próximo. Queremos que eles nos sirvam. Em cada coração, portanto, existe um “pequeno rei Herodes” querendo governar e sendo ameaçado por tudo que possa comprometer sua onipotência e soberania.

O Natal nos mostra que o Rei veio ao mundo. (Isaías 9:6-7 / Lucas 1:30-33) A Bíblia nos diz que Jesus vem como Rei duas vezes, não uma. Na primeira vez, a vinda do Natal – ele veio não em força, mas em fraqueza, em uma família pobre dentro de um estábulo. Na segunda, ele virá em poder para pôr fim à todo mal, sofrimento e morte. Ele virá como Rei dos reis e Senhor dos senhores, triunfante sobre todas as forças do mal. (Apocalipse 21:23-24; 22:5)

Enquanto esse dia não chega, lembremos: “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” 1 Pedro 2:9

40 DIAS DE AMOR (6 de 6) | Pr Tércio | 09.12.18

AMADO(A) DE DEUS!
(Pr Tércio, 09/12/18)
Mateus 4:3,6,9

O princípio mais importante na jornada dos relacionamentos tem como base a compreensão de uma revelação acerca de nós mesmos. Como você responde esta pergunta: Quem sou eu? Geralmente enquadramos a respostas assim:

1. Eu sou aquilo que eu faço
Quando eu constato que não consigo mais realizar tantas coisas ou quando não me valorizam pelo que eu fiz, como eu me sinto?
2. Eu sou aquilo que os outros dizem a meu respeito
O quanto isso tem a ver com meus relacionamentos, com sentir-se amado/a e conseguir amar os outros?
3. Eu sou aquilo que eu tenho
Uma boa casa, uma família que me orgulho, filhos bem sucedidos, pais legais, amigos, carros importados, a quantidade de dinheiro… tudo isso de certa forma pode nos dar um sentimento de bem-estar, influência, fama, independência, controle, autonomia, admiração.

Viver com base nestas opções interfere diretamente na forma como nos relacionamos, nos valorizamos e/ou valorizamos as pessoas. Por isso, responder essa pergunta espiritualmente é como abrir uma porta para uma nova dimensão do amor e dos relacionamentos. Jesus deixa claro que esse modo de pensar é uma grande mentira. A resposta sobre quem eu sou é mais pura e simples: VOCE É AMADO (A) DE DEUS.

Antes mesmo de eu fazer algo ou não conseguir fazer algo…
Antes mesmo de as pessoas falarem algo bom ou ruim de mim…
Antes mesmo de eu ter muitas posses ou nenhuma…
Eu sou amado (a) de Deus!

“Tu és meu filho(a) amado(a). Eu te amo com amor eterno, com amor Leal eu te amei. Eu te vi antes de teres nascido – eu já te amava. Antes que pudesses falar e antes que a tua mãe pudesse te tocar, eu te chamei. Eu te formei maravilhosamente ainda no ventre da sua mãe. Tu és meu e Eu sou teu. Nos meus braços tu estás seguro(a). Tu és precioso(a) aos meus olhos e eu te amo. Eu nunca, jamais te deixarei e estarei contigo por onde quer que andares.”

SUGESTÃO DE ATIVIDADE

Passo 1
Corte e distribua pequenos pedaços de papel e também canetas aos participantes da dinâmica.

Passo 2
No papel, peça para que a pessoa escreva uma palavra, uma expressão ou uma pequena frase que descreva algo sobre o livro 40 dias de amor e que tenha impactado sua vida durante a leitura.

Passo 3
Peça para que, após escrever, a pessoa passe o seu papel para a pessoa que está à sua direita.

Passo 4
Peça para que a pessoa que recebeu o papel fale a respeito do que está escrito, comentando o que chega ao seu coração com o que recebeu e sobre o seu entendimento a respeito.

40 DIAS DE AMOR (5 de 6) | Pr André | 02.12.18

Princípio 5
SERVIR COMO JESUS
(Pr André, 02/12/18)
Lucas 6:46

Estamos vivenciando uma experiência de amor prático, e nesse tempo, estamos lendo e sendo desafiados a cada semana a viver os princípios de Jesus nos relacionamentos. Nessa semana, seremos desafiados a servir como Jesus.

MAIOR É O QUE SERVE. Como eu estou servindo a Deus e ao meu próximo?

MEUS ARGUMENTOS
Talvez você diga que serve Jesus e vai trazer muitos argumentos para provar isso. Mas é preciso entender que uma entrega inicial é muito diferente de um sacrifício diário, de uma rendição diária ao senhorio de Jesus.

NOSSO PROBLEMA EM CONTINUAR
Por que começamos bem, mas não continuamos , bem e nem terminamos bem? É no permanecer diário que nos chocamos com a nossa própria falta de serviço real, prático e diário ao Senhor Jesus.

Como está o teu compromisso com Jesus hoje?

O QUESTIONAMENTO DE JESUS
Será que estou agindo como os filhos da parábola contada por Jesus em Mateus 21:29-30?
O questionamento de Jesus tem haver com a nossa falta de compromisso e entrega diária a Ele.
“Vocês me chamam Senhor mas não fazem o que eu mando!”
A palavra de Jesus em João 13:1 diz que “Jesus amando os seus os amou até o fim!”

O que seria da minha vida se o amor e o compromisso de Jesus fossem como muitos dos nossos compromissos e das nossas declarações de amor? Onde nós iniciamos mas não terminamos? O que nós falamos mas não cumprimos?

NOSSA CONFISSÃO
Talvez precisamos parar e reconhecer – como o povo de Israel na época de Neemias: “Deus nós temos pecado!”

Talvez hoje precisamos dizer: Pai nos perdoe, pois somos um igreja que diz que te ama de todo coração, que diz que te ama de todas as nossas forças, que diz que te ama de todo o nosso entendimento, que diz que te ama mas que de fato não permanece no teu amor.

NOSSO RETORNO
Se tenho Jesus como SENHOR da minha vida, por que não rendo sacrifícios diários de obediência?
Ou por que não demonstro o meu amor?

Uma igreja que permanece no amor e na graça, precisa também permanecer na obediência ao senhorio de Jesus!

A SOLUÇÃO DE CRISTO (Mateus 20:25-28)
O que Jesus já nos mandou fazer? Jesus ordenou que sejamos os maiores nos relacionamentos!

Em todos os nossos relacionamentos enfrentaremos o mesmo teste: eu me exaltarei ou eu me humilharei?
A humildade está no cerne de todo o bom relacionamento! Nossas decisões egoístas nos afastam do chamado de Deus e dos bons relacionamentos, mas a humildade constrange, ensina e desenvolve os bons relacionamentos.

Onde a humildade é desenvolvida?
A verdadeira humildade é desenvolvida no nosso quarto secreto, em pequenos atos de serviços que não são notados, quando ninguém está olhando!

Estou pensando
Ruth Harms Calkin
Sabes, Senhor, como eu te sirvo,
com grande fervor e sentimento sob os holofotes.
Sabes, Senhor, com que zelo falo por ti em um encontro de senhoras.
Conheces o meu entusiasmo genuíno num estudo bíblico.
Mas como eu reagiria, fico pensando,
se tu me mostrares uma bacia com água,
e me pedisses para lavar pés calejados
de uma velha senhora encurvada e enrugada,
dia após dia, mês após mês,
num quarto em que ninguém me visse e ninguém soubesse?

POR QUE FAÇO O QUE FAÇO? PARA QUEM ESTOU SERVINDO?
O Senhor Jesus convoca Sua igreja a viver de fato e de verdade uma vida de compromisso diário com Ele, sacrifício real de amor ao nosso Deus.

NOSSO DESAFIO
Desafie-se a ser um discípulo que vai permanecer em obediência, independente se vai ter alguém olhando e aprovando. Desafie-se a ser maior, sirva primeiro!