SÉRIE K2 – OS 4 MOVIMENTOS – PARA FRENTE: A DOR DAS PERDAS

Imagem2

QUINTA SEMANA

Pr. André em 04/10/2015

OS 4 MOVIMENTOS – PARA FRENTE: A DOR DAS PERDAS

O quarto e último movimento que precisamos exercitar rumo ao Summit é olharmos para frente, rumo ao imprevisível. E é exatamente nesse momento que enfrentamos uma dura crise. Oswald Chambers diz: “A maior crise espiritual ocorre quando alguém tem de ir um pouco além dos limites da fé e das crenças que já abraçou.” (Tudo para Ele; p. 277) E é no imprevisível caminho que poderemos ter que enfrentar nossos obstáculos mais temidos: a perda e o sofrimento. O sofrimento e a perda são obstáculos reais da jornada. Eles fazem parte da jornada desse lado da eternidade. Diante desse contexto, uma pergunta se impõe: Como um adulto emocionalmente saudável lida com suas perdas sofrimento? Como podemos lidar com as perdas e o sofrimento encontrando forças para viver o imprevisível dom da vida de Deus? Existem dois caminhos a seguir:

1. O CAMINHO DA IMATURIDADE NA DOR: como podemos lidar com o sofrimento e a perda A dor e sofrimento podem cegar o nosso entendimento, nos dando uma visão distorcida da realidade. Elas nos colocam numa nova realidade. Diante da dor, nós podemos tentar levantar defesas para lidar com essa realidade.

1.1 NOSSAS DEFESAS

Negação – nos recusamos a reconhecer a nossa nova realidade.

Redução – admitimos que algo está errado, mas diminuímos a seriedade do problema.

Transferência de culpa – negamos a nossa responsabilidade pela situação e projetamos a culpa nos outros.

Culpar – assumimos a culpa inteiramente.

Racionalização – damos desculpas, justificamos, apresentamos álibis para proteger e estabelecemos uma explicação inexata do que está acontecendo.

Generalização – evito a consciência pessoal e os sentimentos difíceis através de generalidades.

Distração – mudamos de assunto ou fazemos piada para evitar a realidade ameaçadora.

Hostilidade – ficamos com raiva e irritados quando certos assuntos são mencionados.

Todas essas defesas na verdade são muros de areia que não vão nos ajudar a lidarmos com as perdas e o sofrimento. São artifícios e estratégias que usamos, mas que porém não vão gerar uma visão nítida de nossa realidade. Fugir da realidade não é a solução das nossas crises. Peter Scazzero diz: “Não há maior desastre na vida espiritual do que estar imerso na irrealidade. De fato, a verdadeira vida espiritual não é um escape da realidade, mas um total compromisso com ela.” (Espiritualidade emocionalmente saudável, pág. 170).

Tentar fugir da realidade é tão eficaz como construir um muro de areia diante da onda do mar. Seremos invadidos. Porém entenda que a perda e o sofrimento não são toda a sua vida. Precisamos lidar com nossas dores, mas olharmos somente para elas é vermos apenas parte de nossa vida; é lidar de maneira imatura com o que recebemos.

2. O CAMINHO DA MATURIDADE: como superar nossas dores e seguir adiante.

“Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino.” (1 Co 13:11)

O verso 11 está falando de uma nova realidade manifestada através da vinda de Jesus. Uma realidade que vai revelar a meninice da nossa sabedoria humana e nossas meninices emocionais e espirituais. Paulo não estava falando que tinha alcançado a maturidade espiritual completa. Todavia, a maturidade espiritual e emocional podem ser desenvolvidas assim como uma criança que cresce fisicamente até ser um homem. A diferença é que fisicamente nós crescemos de maneira natural. Emocionalmente e espiritualmente nós precisamos ser intencionais. Mas para isso ocorrer é preciso desapegar-nos das coisas de “criança” e avançarmos para a maturidade.

A verdade é que tentamos nos aprimorar com pós, mestrados, cursos, diplomas e títulos para tentar superar nossas fragilidades e preencher nossas lacunas emocionais. Mas esquecemos que a única forma de amadurecermos emocionalmente e espiritualmente é aceitando as nossas limitações de maneira humilde e sendo intencionais quanto a esse crescimento.

Como superar as nossas dores e seguir em frente?

• Não fuja de suas dores; coloque-se de pé diante delas.

• Preste atenção ao está acontecendo.

• Reflita sobre suas emoções.

• Submeta-se ao processo.

• Avance para a luz da saída de Deus.

• Aprenda com os seus limites, e enfrente suas dores e sofrimento.

O que vira adiante? Não sabemos, mas a Bíblia nos ensina sobre o que podemos nos apegar.

“Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor.” 1 Coríntios 13:13 A fé, que nos move em direção a Cristo; a esperança, que nos leva a esperarmos na certeza de que Deus está fazendo algo por nós, e o amor, que é a manifestação de Deus em Cristo. O que virá ainda é desconhecido, distante e não claro, como uma nevasca ou um dia de forte neblina. Como enfrentar a nevasca do desconhecido? Não deixe que o medo do desconhecido, as suas dores e o sofrimento afastem você da casa do pai. Cresça com Ele. A corda da fé em Jesus que nos liga ao pai está disponível para cada um de nós. A fé em Jesus é o que nos mantém no caminho certo e seguro nas nevascas da vida. É ela que nos levará mais longe e mais adiante quando as nevascas das perdas e do sofrimento chegarem até nós.

APEGUE-SE a sua fé e cresça. DESCANSE na esperança e cresça. AQUEÇA-SE no amor de Deus e cresça.