09 Tiago | PALAVRA VIVA E EFICAZ | Ranulfo Nascimento

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 02 – Em tempos em que se ouve de tudo,
o povo de Deus escuta e obedece à Palavra.

9) PALAVRA VIVA E EFICAZ
por Ranulfo Nascimento, em 11 de maio de 2020

“Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração.” Hebreus 4:12

Eu não sei qual a quantidade de informação que chega diariamente para você, por meio de textos, vídeos, televisão e outros meios de comunicação, com mensagens de pânico, terror, autoajuda, encorajamento, esperança. Mensagens que recebemos de pessoas que certamente querem o nosso bem, sejam amigos, familiares e até mesmo desconhecidos, todos muito bem-intencionados.

Alguém já falou da diferença que existe entre ouvir e escutar. No momento que estamos passando, vai ser impossível não ouvir de tudo, mas é importante filtrar, de tudo que ouvimos, aquilo que vamos escutar. Escutar passa pelo entendimento do que está sendo dito, mas também de processar internamente aquilo que escutamos. “De todas as coisas que ouvimos, retenhamos o que é bom!” (1 Tessalonicenses 5:21)

Neste tempo em que se ouve de tudo, devemos escutar a Palavra de Deus. A Bíblia traz alguns adjetivos para expressar a Palavra de Deus e sua função. Hebreus 4:12 fala da palavra viva e eficaz, do poder que a Palavra de Deus tem de penetrar, sondar pensamentos e as intenções do nosso coração. A Palavra é espada, capaz de dissipar pensamentos autodestrutivos acerca de quem somos e a quem pertencemos.

Vozes, teorias, crenças podem tentar desviar nossa mente e coração daquilo que é eterno. Cabe voltar nossa atenção e valor para as palavras de Jesus quando diz que “passarão céu e terra, mas minhas palavras jamais passarão.” Mateus 24:35

Chama minha atenção para aquilo que é eterno e não transitório. A pandemia vai passar, mas minha mente e coração não devem focar no transitório, mas naquilo que é eterno.

O salmista diz: “Guardei no coração a tua palavra para não pecar contra ti.” Salmos 119.11

Palavra que merece ser guardada no coração, quando eu e você acreditamos que, neste tempo de pandemia, Deus não está somente trabalhando no mundo exterior, mas no meu e no seu mundo interior. Quando acreditamos que as maiores e melhores mudanças que podem acontecer na nossa vida devem acontecer de dentro para fora, e não ao contrário.

Porque a Palavra é viva e eficaz nosso relacionamento com a ela passa por esta escuta, de ler a Palavra e deixar a Palavra nos ler. A Palavra deve ser viva e eficaz dentro de nós, mudando nosso caráter, nossos hábitos, valores distorcidos, crenças que recebemos antes do encontro com nosso Senhor, para depois sermos um instrumento de mudança na vida daqueles que nos cercam.

A Palavra tem o poder de nos salvar do inferno, mas também de salvar-nos de nós mesmos. Sem o norteamento da Palavra podemos trilhar caminhos que conduzem à morte.

Esta é a minha oração por mim e por você: que, neste tempo em que se ouve de tudo, nosso coração possa estar apegado e apaixonado pela Palavra viva e eficaz, pois ela certamente nos salvará.

Música sugerida: A Tua Palavra (Cassiane)
https://youtu.be/9zB4rUQ0MV4

08 Tiago | AOS CUIDADOS DO PAI | Gema Sordi

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 02 – Em tempos em que se ouve de tudo,
o povo de Deus escuta e obedece à Palavra.

8) AOS CUIDADOS DO PAI
por Gema Sordi, em 10 de maio de 2020

“Bendito o homem que confia no Senhor e cuja esperança é o Senhor. Porque ele é como árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde, e no ano de sequidão, não se perturba e nem deixa de dar fruto”. (Jeremias 17:7-8)

Fico imaginando esta árvore descrita na Bíblia e penso na grandiosidade e cuidado de Deus em tudo. Aqui Ele nos oferece uma oportunidade de observarmos a natureza e a riqueza nos detalhes da Sua criação.

Gostaria de fazer um convite para usarmos a imaginação e juntos desenharmos a seguinte paisagem.

Vamos imaginar um dia de sol, em um lugar sossegado. Diante de nós podemos observar uma variação de tons na cor verde. Porém, em meio a esta vegetação, uma árvore em especial chama nossa atenção pela beleza e tom vivo de suas folhas. Ao chegarmos mais perto, podemos observar que há ali um pequeno riacho com águas cristalinas, deslizando suavemente através de um caminho traçado entre as pedras e sombras. Sim, ela deve ter nascido ali e, com certeza, precisou “lutar as suas batalhas” para viver, crescer e permanecer forte. Certamente suas raízes trabalharam muito para dar a firmeza e retirar o alimento do solo, sem contar o movimento em busca da água na lateral deste riacho. Agora adulta, seus galhos avançam à margem produzindo uma sombra que nos convida a descansarmos, usufruirmos do frescor e desfrutarmos do silêncio interrompido apenas pelo canto de pássaros. Ao olharmos para cima, podemos ver que está carregada de frutos que alegram e alimentam as aves, e que também podemos colhê-los para saciarmos a fome. Esta árvore busca na terra os nutrientes que precisa e a água, na umidade do pequeno riacho, mantendo-se assim forte e saudável, cumprindo o propósito para o qual foi criada.

Podemos refletir juntos?
Onde estão fixadas “minhas raízes”?
Onde tenho buscado meu alimento?
Em qual fonte tenho retirado a água?
Os fortes ventos têm me abalado?
A minha “sombra” é convidativa?
Que tipo de frutos tenho produzido?

Analisando as respostas às perguntas acima, poderemos observar como está nosso relacionamento com Deus e com próximo, e identificarmos o que precisa melhorar. Considerando que devemos lembrar que somos limitados e imperfeitos, e só com a ajuda de Deus conseguimos vencer nossas lutas e enfrentar as batalhas.

Quais as batalhas? Seriam os “ventos contrários”? Para que servem?

Conforme falamos acima, podemos usar exemplos da natureza e observarmos quais as reações das árvores para enfrentarem os ventos fortes. Podemos observar que elas têm suas próprias “armas de defesa”. E nós, quais seriam as nossas “armas”?

As raízes das árvores frondosas são profundas, e vão ajudá-las a manter-se firmes no solo para enfrentar as forças do vento. Diferente do comportamento, por exemplo, de uma palmeira. Por não ter raízes profundas, possui outra maneira de enfrentar as “batalhas”. Seu tronco inclina-se acompanhando o vento. Os dois exemplos podem ser aplicados para nossa vida: Nossas raízes devem estar bem firmadas na Palavra de Deus para suportarmos as adversidades da vida, e sermos maleáveis diante das lutas que surgirão na nossa caminhada e que precisaremos enfrentá-las, mantendo nossa confiança Naquele que tudo criou e que nos ama. Até mesmo nas lutas existirá um propósito de Deus para nós.

Para refletirmos, destaco uma passagem da Bíblia que está em Romanos 5:3-5, e gostaria de resumir aqui: a TRIBULAÇÃO produzirá em nós a PERSEVERANÇA, que irá nos trazer a EXPERIÊNCIA; e a experiência nos trará a ESPERANÇA. Esperança em Deus que tudo formou e que conhece até mesmo nossos pensamentos e que, através do seu Filho Jesus, temos acesso ao Pai. Ele nos purifica de todo o pecado e nos ajuda na caminhada. Ele conhece a cada um de nós e tem preparado um lugar para estarmos com ELE na eternidade.

DEIXE DEUS CUIDAR DE TI.

Música: Deus cuida de mim (Kleber Lucas)
https://www.youtube.com/watch?v=B9W1zz6pDyU

39/40 dias C.A.F.E. | E SE…

Enquanto o mundo se desespera, o povo de Deus espalha esperança.
Devocional 39/40 – 29.04.2020
E SE…
por Miguel Schmitt

“Mesmo não florescendo a figueira e não havendo uvas nas videiras, mesmo falhando a safra de azeitonas e não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral, nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação.” Habacuque 3:17-18

O texto acima é uma das afirmações de fé mais marcantes de toda a Bíblia.

Antes de escrever este devocional, pensei muito na minha mãe, no quanto ela me ensinou sobre ter esperança; esperança em um Deus que é soberano e que sempre sabe o que é o melhor para nós. Ela dizia: “Não esquece, tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8:28). Ele tem um propósito para cada um em tudo o que acontece, mesmo que a gente não entenda”. Ela me ensinou a ter fé, a buscar o Senhor confiantemente, mesmo que tudo pareça contrário a mim, crendo que Ele fará o melhor em cada circunstância. Minha mãe tinha uma fé tremenda e amava a Deus profundamente, com a convicção de que Ele usa tudo o que acontece em nossas vidas para nos tornar mais semelhantes a Jesus. Quando eu era criança, ela sempre repetia: “Ora, meu filho, entrega tudo para Deus… Uma oração com fé pode transformar coisas lá do outro lado do mundo e você pode tocar o mundo com uma oração. Mas antes Deus sempre vai transformar o seu interior primeiro”.

Faz quatro anos que ela partiu. Foi uma bela luta contra o câncer. Numa certa tarde, logo após saber que a situação era irreversível, ela me disse: “O que as pessoas irão pensar? A gente fala tanto de Deus e agora estou aqui, sem chance de me curar!” Naquela hora eu pude dizer para ela: “Mãe, lembra quando tu comentaste que a psicóloga do hospital disse que não conseguia entender como tu lidavas tão bem com a tua doença e que as sessões de terapia se aplicavam mais para ela do que para ti? Lembra como as pessoas no quarto do hospital ansiavam pelo cultinho que fazíamos? Lembra as vidas que tu alcançaste para Jesus no hospital? Mãe, o milagre já está aí, nessa paz que excede todo o entendimento, que as pessoas não compreendem e que, ao mesmo tempo, te possibilitou tocar o coração de tanta gente!”.

Duas semanas antes de ela partir, tivemos o privilégio de comemorar o seu aniversário de 63 anos em casa e foi um momento muito especial. Ela estava vibrante, com uma alegria no rosto e uma paz nos olhos que excediam o entendimento. Apesar de saber que tinha poucos dias aqui na terra, decidiu vivê-los da melhor forma possível, ao lado dos seus e honrando a Deus. Eu queria poder colocar aqui um retrato, para que vocês pudessem ver o sorriso dela naquele dia. Esse sorriso, para mim, é uma representação concreta do que a Palavra nos fala em Filipenses 4:4: “Alegrai-vos no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos.”

Do dia do diagnóstico até o momento em que nos despedimos dela, foram quase dois anos. Nesse tempo, passamos por outro grande desafio: dias após descobrirmos o câncer da minha mãe, minha esposa e eu recebemos o diagnóstico de surdez profunda do nosso filho Davi, de apenas 15 dias de vida. Foi um momento de lutas, de perguntas para Deus, de medos e, ao mesmo tempo, de poder perceber o profundo cuidado e amor dEle para conosco. Mesmo com circunstâncias contrárias aos nossos sonhos, escolhemos nos perguntar “por que não eu?” em vez de “por que eu?”. Assim descobrimos um Deus que nos ama, ensina e molda no processo, a fim de nos tornar mais completos e maduros ao longo dele. Aprendemos a viver um dia de cada vez, a confiar e descansar completamente nas Suas intenções – não só naquelas duas situações específicas, mas em todas que viriam. Sabíamos que isso não significaria que Ele nos tiraria das circunstâncias, mas que estaria ao nosso lado em cada uma delas. Assumir essa posição e perseverar nela, ainda hoje, é uma escolha diária.

No dia em que a minha mãe partiu, ainda pude contar para ela sobre os bons resultados recebidos referentes aos exames do Davi, que, depois de alguns tratamentos e das cirurgias de implante coclear, estava ouvindo como nós! Foram duas histórias de luta que se iniciaram juntas, mas tiveram finais bem diferentes. Aos olhos do mundo, uma vitória para o Davi e uma derrota para minha mãe; afinal ele venceu as barreiras da surdez e ela perdeu para o câncer. Deus, porém, nos convida a enxergar vitória nas duas circunstâncias: ele escuta e ela está com Ele. Não apenas isso: a vitória para a qual Deus nos convida a olhar é sobre tudo o que Ele fez durante os processos.

Deus ama processos, pois eles nos ajudam a crescer e nos aproximar ainda mais dEle. No momento em que compreendi isso, Deus começou a fazer revoluções na minha vida e continua fazendo. Hoje posso dizer como Paulo: “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou Seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que Ele nos concedeu.” (Rm‬ 5:3-5).

Sei que a vida pode parecer confusa, cheia de altos e baixos, mas isso não significa que Deus não esteja ao nosso lado ou que não nos ame. Podemos ter a certeza de que Ele nos ama loucamente e quer estar ao nosso lado, nos renovando na Sua esperança, que não decepciona, mesmo que muitas vezes as circunstâncias pareçam contrárias (Sl 42:11).

Quando a dificuldade surgir, lembre-se de trazer à memória aquilo que pode dar esperança, pois “o Senhor é bom com aqueles cuja esperança está nEle” (Lm 3:21-26). Escolha confiar em Deus. Isso implica ter “a certeza daquilo que esperamos” (Hb 11:1). Sem fé, “é impossível agradar a Deus, pois quem dEle se aproxima precisa crer que Ele existe e que recompensa aqueles que O buscam”. Devemos buscá-Lo de todo o coração, na confiança de que os planos dEle para nós são muito melhores que os nossos (Jr 29:11-13).

Minha oração é para que, diante dos “e se” que surgirem em nossas vidas, possamos ter a esperança de que Deus sabe o que faz e que Ele tem o controle de todas as circunstâncias em Suas mãos. Que possamos nos alegrar nessa esperança, sendo pacientes, perseverantes em oração, a fim de que nossas forças sejam renovadas pelo poder do Espírito e possamos ser conhecidos pela força e coragem que somente aqueles que esperam nEle podem demonstrar (Rm 12:12 e 15:13; Sl 31:24; Is 40:31).

Música sugerida: E se… (Jeferson Pillar)
https://www.youtube.com/watch?v=GD9BeVw_1WA

36/40 dias C.A.F.E. | A ESPERANÇA QUE JÁ MORREU

Enquanto o mundo se desespera, o povo de Deus espalha esperança.
Devocional 36/40 – 26.04.2020
A ESPERANÇA QUE JÁ MORREU
por Ranulfo Nascimento

“Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.” Salmos 42:11

Enquanto o mundo se desespera, o povo de Deus espalha esperança. Isso me fez lembrar da frase “a esperança é a última que morre”! Parei para pensar onde deve ser a habitação da nossa esperança. O salmista revela conversas que somos capazes de ter com nós mesmos, com nosso interior, perguntas de checagem com a sede das nossas emoções, a nossa alma.

Por que você está triste, ó, minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim?

Neste tempo de pandemia, certamente somos afetados nas nossas emoções: o medo, as incertezas do amanhã, o apocalipse das tragédias que foram e são anunciadas diariamente pela mídia geram perturbações de quando e como vamos voltar, pós-pandemia. Eu e você devemos estar pensando nisto: quando e como vamos voltar? Não seremos os mesmos de outrora, seremos, pela fé, menos egocêntricos, mais sensíveis ao outro, mais generosos, mais gratos a Deus.

O jeito com que vamos lidar com o abatimento e perturbação da alma pode ter diversos tipos de danos emocionais, físicos, psíquicos etc. Este período de pandemia me trouxe à memória confinamentos que eu já vivi, por conta dos meus pecados do passado sem Cristo. No meu confinamento, aprendi com um pastor que pastoreava minha vida, dizendo: “Ranulfo, você não pode adoecer na sua mente”. Para isso, ele me escrevia cartas com textos para minhas reflexões. Aqui está um que me sustentou em tempos de confinamento: Colossenses 3:1-3.

“procurem as coisas que são do alto, onde Cristo habita”: procurar requer atitude, separar tempo, ser intencional.
“mantenha o pensamento nas coisas que são do alto, e não nas terrenas”: há contraste entre coisas que são terrenas e coisas que são do alto. É preferível ficar com o que é e vem do alto. Nossa esperança jamais pode estar naquilo que é terreno, mas naquilo que é do alto e vem do alto onde Cristo está assentado à direita de Deus.

Nossa esperança já morreu há mais de 2.000 anos, mas ressuscitou, Ele vive. Por isso, podemos esperar em Deus. Pode haver abatimento e perturbação da alma, mas espere em Deus, confie em Deus. Mesmo sem entender os abatimentos e perturbações da alma, somos convidados a nos lançarmos nos braços do Pai.

Em tempo de pandemia, eu creio que tudo vai se cumprir, ter esperança é ter a certeza de que tudo vai ficar bem no meu mundo interior. A minha oração é para que possamos confiar fielmente na nossa viva e real esperança. Ela tem nome: Jesus Cristo.

Música sugerida: Aquieta minh’alma (Ministério Zoe)
https://www.youtube.com/watch?v=ANfpF0pNob4&feature=youtu.be

29/40 dias C.A.F.E. |UMA FÉ QUE NOS MOVE

Enquanto o mundo duvida, o povo de Deus espera em fé.
Devocional 29/40 – 19.04.2020
UMA FÉ QUE NOS MOVE
por André Castanheira

“Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.”
(Hebreus 11.1)

Alguns anos atrás, o Filipe, meu filho, me pediu um Optimus Prime, (para aqueles que não sabem, Optimus Prime é o líder dos Transformers, um robô que se transforma em carro e vice-versa). Diante do pedido dele, eu disse para ele orar e pedir ao papai do céu. No dia seguinte, algo inacreditável aconteceu. O Filipe começou a organizar a sua caixinha de brinquedos. Quando questionado pela sua mãe sobre a razão da arrumação, ele naturalmente respondeu: “Estou deixando espaço na caixa para o meu Optimus que o papai do céu vai mandar”. A fé do Filipe o levou a se mover.

Creio que, neste tempo, em meio a tantas incertezas, medos, prognósticos ruins, notícias tristes, perspectivas duvidosas, só existe uma maneira de nos movermos com segurança: a fé.

Por isso, hoje, tenha fé!
Tenha fé que você será uma melhor mãe ou melhor pai do que foi ontem.
Tenha fé que Deus está cuidando da sua vida e da de seus familiares.
Tenha fé que seu trabalho, sustento e saúde serão guardados em meio à crise.
Tenha fé que Deus vai mandar chuva no tempo certo.
Tenha fé que Deus vai dar uma saída, uma ideia, um escape em meio às dificuldades.
Tenha fé de que Deus vai cuidar de sua empresa, negócios e estudos.
Tenha fé que logo veremos o Brasil e o mundo livres dessa enfermidade.
Tenha fé que Deus tem um lugar para você diante desse novo mundo que vamos descobrir ao sairmos de vez de nossas casas.

Em Hebreus 11.1, diz: “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.”

A fé é a certeza daquilo que esperamos. O que você está esperando?

Alguns meses depois, o Filipe ganhou de um irmão de nossa igreja um Optimus Prime, mas não era qualquer Optimus Prime! Era uma versão de colecionador, não só se transformava em um robô, mas era uma réplica perfeita da versão vista nos cinemas.

“Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam.” Hebreus 11.6 NVI

Deus está cuidando de você hoje!
Deixe que a fé mova você!
Tenha e compartilhe fé hoje!

Música sugerida: Deus cuida de mim (Kleber Lucas)

28/40 dias C.A.F.E. |PINHOLE

Enquanto o mundo duvida, o povo de Deus espera em fé.
Devocional 28/40 – 18.04.2020
PINHOLE
por Robson Ferreira

“Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. ” (João 3.3)

Texto-base: João 3.1-21

Amo fotografia, na verdade amo todas as artes, a música, a dança, a pintura, o cinema e até minha primeira formação é considerada uma arte, o desenvolvimento de softwares. Mas afinal, será que existe alguém que não goste de arte? Acredito que você ama fotografia, ou até mesmo uma bela música, pois a arte permeia o mundo e, na minha opinião, é uma expressão natural da beleza de Deus.

Na fotografia cheguei até a fazer cursos. Fiz um de fotografia analógica, mesmo em tempos de fotografia digital, pois eu queria entender a fotografia em sua raiz, como aquilo funcionava de verdade, ter a sensação de revelar um filme, entrar em uma sala escura, que descobri que é escura mesmo, sem luz alguma, não é como no cinema com aquela pequena luz vermelha, não se pode ter luz alguma, por uma simples razão: fotografia é um registro da luz. Isso mesmo, toda foto é um registro da luz que incide em um determinado momento. Nesta época conheci uma forma de fotografia rudimentar chamada “Pinhole”, que é a construção de uma máquina fotográfica com pouquíssimos elementos.

Uma câmara escura que pode ser uma lata de cereal ou até mesmo uma caixa de fósforos, um material sensível a luz, que pode ser um pedaço de filme fotográfico ou papel fotossensível e um furo por onde possa entrar a luz. A razão de ser simples é porque para obtermos o registro da luz, e revelarmos uma bela fotografia, precisamos apenas de três fatores, além da luz é claro: uma abertura para a luz entrar, um material sensível à luz e o tempo de exposição desse material sensível à luz, apenas isso. Qualquer um de nós poderia então construir uma máquina fotográfica, conhecendo bem esses elementos.

O curioso é que quando leio a história de Nicodemos e Jesus, tenho a sensação de observar esses elementos, e ver uma bela fotografia se revelando no final. Nicodemos mostra um coração sensível ao que Deus está fazendo, quando ele chega para Jesus e diz que somente alguém que estivesse com Deus poderia realizar tais milagres. Isso é a evidência de que algo pode ficar registrado no coração de Nicodemos.

Quando Nicodemos segue a conversa com Jesus, e Jesus diz a ele que ninguém poderia ver o Reino se não nascesse outra vez, e que esse nascimento deveria ser do Espírito, ele pergunta: “como pode ser isso”, e aqui temos o segundo fator que precisamos para uma boa fotografia, uma abertura por onde a luz vai entrar, e Nicodemos abre o coração. Ao final desse diálogo Jesus diz: “A Luz veio ao mundo, e quem ama a verdade vem para a Luz.” Uau! Jesus é a própria Luz! Nicodemos tem um coração sensível, da abertura para a Luz entrar, então agora o que falta?

O que falta é o tempo!

Dentro de Nicodemos há uma pandemia acontecendo, uma crise “global” em seu interior, a metanoia, o mundo mudando dentro de Nicodemos, a maneira de pensar, de enxergar o mundo, porque é isso que a Luz faz, ela elimina toda treva, toda escuridão e nos permite enxergar.

Acredito que muitos de vocês já tenham passado por isso no seu quarto escuro durante a noite – não dá para ver nada – e de repente você recebe uma mensagem no celular, e a fraca luz da tela do celular é suficiente para iluminar todo quarto. É isso que a Luz faz, quando ela chega ilumina tudo, trazendo verdade, trazendo mudança e crescimento.

Dentro de Nicodemos havia muita coisa mudando, pois a luz estava trabalhando. E do lado de fora, o mundo também estava mudando, uma crise também estava acontecendo. Jesus foi perseguido pelos fariseus e pelas autoridades da época, foi humilhado, espancado e morto, e Nicodemos assistiu a tudo isso. Se os amigos de Nicodemos, que perseguiam Jesus, soubessem o que estava acontecendo dentro dele, sua reputação estaria arruinada, mas quando a Luz entra, não há mais escuridão, e isso já não era mais algo que Nicodemos podia mudar, a Luz revelaria a sua fotografia, a sua verdade no coração de Nicodemos.

A morte de Jesus seria a oportunidade perfeita para Nicodemos esquecer tudo isso, pular fora do barco e ninguém nunca mais ficaria sabendo do que aconteceu dentro do coração de Nicodemos. Mas já era tarde, Nicodemos tinha o material sensível, seu coração. Tinha uma abertura para a Luz entrar, seu desejo de nascer outra vez. E havia estado em contato direto com a Luz do Mundo, Jesus. Agora é questão de tempo para a verdade da fé ser revelada no coração de Nicodemos. Ele toma uma atitude inesperada, reclama para si o corpo de Jesus e o direito de enterrá-lo, e neste ato torna pública a sua fé no Redentor.

A fé de Nicodemos não foi destruída pelas circunstâncias, mas foi revelada nas circunstâncias, e o tempo foi um fator fundamental para que essa fotografia da verdade fosse revelada no coração de Nicodemos. Mesmo quando tudo parecia ter chegado ao fim, nem a morte serviu de justificativa para que a fé não prevalecesse! Isso só foi possível porque Nicodemos permitiu que a Luz entrasse, e essa Luz quem produziu essa fé, uma fé inabalável.

Se você estiver cansado de esperar, ou até mesmo acha que a história chegou ao fim, lembre-se que um coração sensível, e uma abertura para a Luz entrar é suficiente para Deus produzir fé no seu coração. O restante, bom, é questão de tempo.

Música sugerida: Plano Melhor (Renascer Praise)

27/40 dias C.A.F.E. |ONDE ESTÁ A FÉ?

Enquanto o mundo duvida, o povo de Deus espera em fé.
Devocional 27/40 – 17.04.2020
ONDE ESTÁ A FÉ?
por Raul Villanueva

“Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de modo que aquilo se vê não foi feito do que é visível. ” (Hebreus 11.3)

Foi um pequeno príncipe parado no seu asteroide B612 cuidando de uma rosa, que me ensinou que “aquilo que é importante, não se vê”. Então me perguntei: onde está a fé? Encontrei a fé vestida de graça, caminhando pelas ruas da cidade e chamando os cegos que estavam à beira do caminho. Ao invés de esmolas, deu misericórdia. Essa foi a mesma fé que fez Fanny Crosby escrever que “lá no céu eu verei meu Salvador”, porque a fé tem o poder de abrir os olhos espirituais mesmo quando os olhos físicos não enxergam absolutamente nada.

Encontrei a fé em forma de uma carta na minha caixa de correio me fazendo um convite a caminhar sobre o mar das adversidades: quando abri o envelope, encontrei escrita apenas uma palavra: “Venha”. Lembrei maravilhado que com só uma palavra Jesus te chama para fazer coisas impossíveis, porque tudo é possível ao que crê.

Encontrei a fé em meio a uma guerra em um mundo mágico do outro lado de um guarda-roupas, onde nem tudo está perdido como parece, porque coisas extraordinárias sempre acontecem com pessoas que têm um destino extraordinário maior do que podem imaginar. Às vezes, a fé pode estar escondida nas páginas de um livro para crianças e te levar a viver intensamente um cristianismo puro e simples.

Aprendi que a fé se constrói na família e que a família é uma forma de arte. Botticelli nunca poderá pintar o sentimento de uma mãe quando recebe a sua filha recém-nascida; Mozart não poderá compor uma melodia mais bonita que aquela que sai da boca de um filho quando diz: “Pai, te amo”. Não existe estrutura arquitetônica mais forte que o abraço de um irmão, nem jamais existirá um poema que possa demonstrar o amor que um esposo sente por sua esposa. Encontrei a fé no valor das abundantes, firmes, e permanentes promessas de Deus. No mapa da vida, elas são como uma bússola que não tem norte, não tem sul, nem leste, e nem oeste, porque elas sempre apontam ao céu. O DNA que move as promessas de Deus é a fé, porque Ele não é somente alguém que faz promessas, mas também é aquele que as cumpre.

Se encontra a fé quando se vai para a faculdade e quando nesta se forma; no primeiro emprego; naquele momento em que se decide empreender um negócio próprio; e no instante que se deixa tudo para ir atrás de um sonho. A fé pode ser encontrada quando nada dá certo, e as contas para pagar são maiores que as próprias forças para continuar; quando em secreto se pensa em renunciar; quando se sente que é tu contra o mundo e todo mundo contra ti. É nesse momento que se compreende que as grandes histórias de sucesso são escritas com capítulos de fracasso. É aí que precisamos levantar e decidir começar de novo, porque quando Ele fala, tudo se transforma e é aí onde se aprende que aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão; que as crises também são oportunidades; e que, no deserto, Deus mais do que nunca está perto.

Aprendi que a fé está cheia de esperança, e que a esperança é a primeira que se ganha e não a última que se perde, quando você tem fé. Que na distância, nunca estaremos separados, porque essa fé viva e verdadeira nos ensina a permanecer unidos; e é essa unidade a que tem o poder de transformar eu, você e eles em nós.

Encontrei a fé vestida de graça na faculdade. Se sentou ao meu lado, me mostrou que a vida em Jesus estava cheia de sentido, significado e propósitos eternos. Me apresentou um amor que ela tinha e que eu não conhecia. Uma certeza que não compreendia e uma graça que foi totalmente irresistível. Naquele momento fui convertido, regenerado, justificado, adotado e santificado, para nunca mais voltar atrás, para nunca mais desistir e sim perseverar, porque as provas produzem perseverança, porque temos a esperança viva de uma glória futura. Porque Ele ressuscitou. Porque sabemos que Ele vai voltar e que estaremos com Ele na pátria celestial e viveremos para sempre na Sua presença. Livres do pecado, do sofrimento e da morte. Porque Ele vive, posso crer no amanhã, porque aquilo se vê não foi feito do que é visível e aquilo que é importante, não se vê.

Agora te pergunto: onde está sua fé?

Música sugerida: Oceanos (Ana Nóbrega)

26/40 dias C.A.F.E. |NÃO ANULE O MAIOR ATO DE AMOR DA HISTÓRIA

Enquanto o mundo duvida, o povo de Deus espera em fé.
Devocional 26/40 – 16.04.2020
NÃO ANULE O MAIOR ATO DE AMOR DA HISTÓRIA
por Marcelo dos Santos

“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16)

Texto-base: 2 Pedro 1.3-8

A cruz do Calvário revela o maior ato de amor da história da humanidade. A morte e ressurreição de Jesus, além de revelar amor, revela outros atributos de Deus, e que nos ajudam a confiar em um Deus que tem todo poder e que é digno de toda nossa confiança.

Eu casei com a Fabi no ano de 2000. Nosso casamento, conforme o tempo foi passando e os desafios foram aparecendo, se mostrou um relacionamento frágil. Durante os primeiros 8 anos da nossa jornada como casal, minhas perguntas sinceras eram: será que devia ter casado? Será que a Fabi merece meu amor? E claro que eu, em minha autoavaliação, pensava que eu “merecia” muito mais do que recebia dela. Neste período de 8 anos foram inúmeras vezes que literalmente lançava culpas sobre ela, da nossa situação estar daquela maneira, dizendo diversas vezes que eu iria embora de casa, lembrando erros e pecados confessados que Deus já havia perdoado. Mas eu me achava superior a ponto de acusá-la e desmerecer o perdão de Deus.

Em 2008, após retornarmos de Recife, em uma de nossas discussões em que transferi novamente toda a responsabilidade da aparente falência de nosso relacionamento para ela, eu mais uma vez me omitia do privilégio que Deus havia me confiado, de cuidar da minha família e mais uma vez num ato covarde quis escolher o caminho mais fácil, que era o de abandonar a família, pois meu pensamento era que deixando a Fabi meus problemas acabariam. Foi neste momento que Deus me lembrou do amor incondicional de Jesus, e fez isso expondo minhas limitações e me lembrando a quanto tempo eu estava vacilando com Ele, a quanto tempo Ele aguardava por uma postura diferente minha e só o que Ele tinha de retorno meu era infidelidade, deslealdade para com Ele e que o amor dEle por mim era tanto que não importava meus vacilos e minha inconstância, Ele tinha planos para minha vida.

A medida que ia me lembrando do sacrifício da cruz, minha mente e coração iam tendo o entendimento do que eu realmente precisava para vencer todas as dificuldades da vida e que não se limitava ao casamento, mas também para lidar com minhas emoções, minha vida profissional, minha paternidade ou qualquer outro desafio enquanto eu viver.

Ouvimos do Pr Carlos McCord que Deus é tudo e está em todos nós. Também ouvimos sobre a fonte do amor, onde eu não podia ser a fonte de amor da Fabi e ela não podia ser a minha fonte, pois nosso amor era limitado, e que o amor perfeito só encontraríamos em Deus.

Glórias a Deus essa compreensão ganhou meu coração e comecei a não acreditar mais no meu casamento, e sim no Deus que criou o casamento e que nos uniu para que juntos revelássemos a glória dEle por meio do nosso casamento.

O texto bíblico que lemos fala que o Seu eterno poder nos deu tudo que necessitamos para a vida, para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a Sua própria glória e virtude, ou seja, devemos crer que tudo o que precisamos para a vida já habita em nós. Mas o texto nos chama a um relacionamento mais profundo, no qual a fé é o início de tudo, mas que uma vez que colocamos nossa fé em Jesus, devemos nos empenhar para acrescentar à nossa fé a virtude; à virtude o conhecimento; ao conhecimento o domínio próprio; ao domínio próprio a perseverança; à perseverança a piedade; à piedade a fraternidade; e à fraternidade o amor. Porque se essas qualidades existirem e estiverem crescendo em nossa vida, elas nos impedirão que, no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo, sejamos inoperantes e improdutivos.

Queridos, o sacrifício da cruz custou um preço muito alto e Jesus não teve o objetivo apenas de nos salvar, mas também de ser Senhor da nossa vida com propósito de se relacionar eternamente comigo e com você. Precisamos ter uma fé ativa, e não uma fé passiva, crendo em Jesus e aguardando o que Ele fará em nós ou para nós, pois sendo assim seremos filhos mimados que querem apenas virtudes que nos favoreçam, queremos ser amados mas não queremos amar, pois amar custa um preço alto.

Para vivermos integralmente o que Deus nos chamou a viver, precisamos deixar Ele ir nos moldando dia após dia, e isso acontece no relacionamento diário com Ele sim, mas também nas dificuldades no casamento, nos relacionamentos com nossos filhos, ou em qualquer outra circunstância da vida na qual precisamos viver cada um dos frutos do Espírito Santo. Portanto, não deixe que o sacrifício da cruz se torne vão. Lembre que o grande objetivo de Deus oferecendo Seu Único Filho como sacrifício na cruz do Calvário em favor de nós foi para que vivamos uma vida abundante e eterna, não apenas para nós mas para todo o que nEle crer.

Concluo fazendo perguntas de checagem. Seja honesto com Deus, mas também com você mesmo.

A maneira como você vive tem feito o sacrifício de Cristo valer a pena?
Você tem vivido uma fé ativa ou tem sido inoperante e improdutivo?
Seus relacionamentos têm glorificado a Deus?

Independente de sua resposta ainda é tempo de se arrepender e se submeter aos planos de Deus para você. Desfrute o privilégio de andar com Ele em missão.

Deus abençoe sua vida e família.

Música sugerida: Poder pra salvar/Te louvarei (Klev)
https://www.youtube.com/playlist?list=RDr4xTNltgt3A&feature=share&playnext=1

25/40 dias C.A.F.E. |COMO VOCÊ TEM VIVIDO SUA VIDA?

Enquanto o mundo duvida, o povo de Deus espera em fé.
Devocional 25/40 – 15.04.2020
COMO VOCÊ TEM VIVIDO SUA VIDA?
por Michel dos Santos

“Sem fé é impossível agradar a Deus, pois que dEle se aproxima precisa crer que Ele existe e que recompensa aqueles que O buscam”
(Hebreus 11.6)

Como discípulos de Jesus, nosso principal desejo é agradar a Deus, e é com esse foco que buscamos viver nossos dias; porém, o texto que lemos nos lembra de que “sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem se aproxima dEle precisa crer que Ele existe”.

Em dias “normais”, somos desafiados, constantemente, a viver pela fé e não por aquilo que vemos, mas existem momentos em que alguns desafios parecem ser ainda maiores, e que parecem quase impossíveis de serem vividos, olhando pela perspectiva humana.

Nesse tempo que estamos enfrentando, quando ligamos a TV ou o rádio, os noticiários ganham uma superatenção, e a grade de programação é alterada para que se fale mais sobre o que tem mexido com a população. Nós somos bombardeados por notícias do mundo todo, e a maioria fala do mesmo assunto, sobre tudo o que envolve esse momento. São relatos de todos os tipos, sobre a quantidade de pessoas infectadas, sobre quantas morreram, sobre cuidados que devemos ter para sair de casa, sobre estatísticas futuras da propagação do vírus e até sobre quantos foram curados (embora essa informação pareça passar despercebida diante de toda a ênfase que tem se dado às demais notícias).

Enfim, temos visto muito desespero, preocupação, e isso tem mexido conosco, ficamos comovidos com o sofrimento das pessoas, nosso coração fica cheio de compaixão, mas também sentimos aquela sensação de que não podemos fazer nada de forma mais prática. Porém, o que, por vezes, não percebemos é que todo esse cenário tem tomado a nossa mente e nos feito olhar somente para o problema, para as circunstâncias, gerando medo, preocupação, focando naquilo que estamos vendo e ouvindo, esquecendo rapidamente que não vivemos e não nos movemos por vista, mas por fé, pois, sem fé, é impossível agradar a Deus.

Chegamos, por vezes, a pensar que tudo está fora de controle, mas quero te lembrar hoje que Deus não perdeu e não perderá o controle; pelo contrário: Ele continua controlando tudo, Ele permanece cuidando de todas as coisas, a Seu tempo e da Sua maneira. Ele continua sendo bom, Ele continua sendo Deus, e os Seus planos são muito mais altos que os nossos. Não duvide, creia no Senhor e na força do Seu poder!
Queridos, em momentos como o que estamos enfrentando, nosso desafio é lembrarmos uns aos outros que precisamos ser guiados pela nossa fé no Senhor Jesus, que devemos ser aqueles que, mesmo diante de um cenário muito crítico, expressam sua fé e confiança nAquele que pode todas as coisas.

A Bíblia nos ensina com a vida de tantos homens que viveram por fé, como Abraão, Noé, Moisés e tantos outros, que obedeceram, que confiaram, mesmo que não estivessem vendo um cenário animador, ou que os favorecesse. Por vezes, foram vistos como loucos, mas eles escolheram confiar, escolheram crer apesar das adversidades.

Esse é o nosso tempo de viver isso, de não sermos paralisados pelo medo diante daquilo que estamos vendo, pois nossa visão é limitada, mas devemos fixar nossos olhos no autor e consumador da nossa fé, nAquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos.

Esteja atento e bem informado sobre os acontecimentos, mas não deixe isso paralisar você. De maneira prática, expresse, em todo o tempo e em todos seus canais de relacionamentos, a confiança em Deus e naquilo que Ele pode fazer.

Deus nos capacite e nos fortaleça.

Música sugerida: Rompendo em Fé (Comunidade Internacional da Zona Sul e Aline Barros)
https://youtu.be/3iwWQJk6OBw

24/40 dias C.A.F.E. |BUSCANDO DEUS

Enquanto o mundo duvida, o povo de Deus espera em fé.
Devocional 24/40 – 14.04.2020
BUSCANDO DEUS
por Lucas Bair
“Sem fé é impossível agradar a Deus, pois que dEle se aproxima precisa crer que Ele
existe e que recompensa aqueles que O buscam”
(Hebreus 11.6)

Somos um povo de fé. Nossa fé nos define. Acreditamos em Deus, o Pai, o Filho, e o Espírito Santo. Acreditamos no Deus vivo e soberano e essa fé gera paz e confiança no meio da provação e no meio da tempestade. Mas será que o povo de Deus nunca tem medo na tempestade, nunca tropeça na prova de fé? Será que o seguidor de Jesus nunca duvida?

As Escrituras têm várias histórias do povo de Deus duvidando, tem a história quando Jesus com os discípulos, em um barco, acalmou a tempestade. É uma história incrível que mostra o poder e autoridade de Jesus, mas o tempo inteiro os discípulos tremeram, tomados pelo medo. Depois que Jesus acalmou o mar, ele olhou para os discípulos no barco e disse: “Por que vocês estão com tanto medo? Ainda não têm fé?” (Marcos 4.40) Os discípulos e as pessoas mais próximas a Jesus, no meio da tempestade, duvidaram. Posso dizer que já tive momentos na minha vida em que Jesus poderia ter olhado para mim e dito: “porque você está com tanto medo? Ainda não têm fé?” Há um outro exemplo em Marcos 9. Um homem, no meio de sua grande prova de fé, exclamou para Jesus: “Creio, ajuda-me a vencer a minha incredulidade!” (Marcos 9.24). Gosto muito desse versículo porque fé e incredulidade estão andando juntas. Sabe que, como um seguidor de Jesus, pastor e missionário, eu já orei para Deus essas mesmas palavras muitas vezes? “Creio, ajuda-me a vencer a minha incredulidade!” O que já observei na minha jornada é que fé e dúvida muitas vezes andam juntas como amigas estranhas. Duvidar é comum para o seguidor de Jesus, faz parte da jornada de fé, mas é importante saber como lidar com as dúvidas e entender que cada prova, cada tempestade, é uma oportunidade divina para fortalecer e fazer crescer a nossa fé.

Cada dia ouvimos as notícias da pandemia mundial e temos a tentação de deixar o medo controlar os nossos pensamentos e ações, para deixar as dúvidas dominar a nossa fé. Para muitos de nós esse momento é uma grande prova de fé. Como nós podemos vencer essa prova e chegar ao outro lado com uma fé fortalecida?

Tem muitas dicas para nos ajudar com nossas dúvidas, mas quero compartilhar o que tem sido a dica mais importante para mim que eu descobri durante minha própria jornada de fé e dúvida. Hebreus 11.6 é um versículo famoso sobre fé. Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam. Esse versículo tem muito para nos ensinar sobre fé e o nosso relacionamento com Deus, mas eu quero focar na última parte do versículo: …e que recompensa aqueles que o buscam. Deus quer que o seu povo busque a ele, que fiquemos ativo em nossa fé sempre correndo atrás Dele. A busca de Deus é um tema que corre por todas as escrituras. Diz em Jeremias 29.13 Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração. Também em Salmo 27.8 A teu respeito diz o meu coração: “Busque a minha face! ” A tua face, Senhor, buscarei. Para agradar a Deus, de acordo com Hebreus 11.6, nós precisamos buscá-lo. A busca de Deus é central no nosso relacionamento com ele.

Quando eu penso na busca de Deus eu penso em uma canoa. Deixe-me explicar: Há alguns anos (muitos anos) atrás eu estava em uma viagem de canoa na fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá. Foi incrível! Lá na fronteira a natureza é extraordinária. Um dia houve um vento contrário muito forte e nós precisava atravessar um lago muito grande, foi muito trabalho, muito difícil. Eu estava remando com toda minha força para ganhar só um pouco de distância, também eu não podia parar de remar. No momento que eu parei a canoa começou a ir pra trás por causa do vento. Precisava remar continuamente. Sabe que nosso relacionamento com Deus é similar? Precisamos buscar a Deus continuamente, no momento que paremos de buscar a ele, como a canoa no vento contrário, começamos a nos afastar dele. Mas, o que isso tem a ver com lidar com as nossas dúvidas? Eu aprendi que quando eu paro de buscar a Deus, o espaço entre eu e ele aumenta. Esse espaço entre eu e Deus é o lar das minhas dúvidas. Quando eu me afasto de Deus, eu crio o espaço para as minhas dúvidas florescerem. O povo de Deus que tem paz no meio da tempestade, que chega no outro lado da prova com uma fé mais fortalecida, é um povo que busca continuamente, diariamente, a face de Deus.

Hoje precisamos enxergar a pandemia e a quarentena não somente como uma tempestade e prova de fé, mas como uma oportunidade divina para buscar a Deus. É uma oportunidade para conhecer Deus mais pessoalmente, mais profundamente, como a nossa rocha e o nosso Rei.

 

Como você busca a Deus?

Como, durante nesse momento de quarentena, você pode aumentar a sua busca de Deus?

Quais hábitos novos você pode desenvolver durante essa quarentena na sua busca de Deus?

Música sugerida: Atos 2 (Gabriela Rocha) https://youtu.be/4BHhLjiyQhw