48 Tiago | PODER SOBRE A TEMPESTADE | André Castanheira

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 07 – Enquanto planos passageiros nos desapontam,
a dependência em Deus nos liberta.

48) PODER SOBRE A TEMPESTADE
por André Castanheira, em 19 de junho de 2020

Todos aqueles que me conhecem já ouviram falar, em algum momento, sobre o “Brincando na chuva”. Bem, esse não era o nome oficial do evento, mas foi assim que ficou conhecido.

Era para ser um sábado animado, no qual nossa igreja serviria a comunidade através de diversas atividades para as crianças do bairro. Alugamos brinquedos infláveis, preparamos brincadeiras de roda, comida, música e até um pequeno teatro. Depois de tudo arrumado, uma tempestade mudou os nossos planos. Esse é o poder de uma tempestade.

Paulo enfrentou inúmeras tempestades, mas uma, em especial, chama a minha atenção em Atos 27:13-15,18. Nesses versículos, lemos a seguinte história: “Começando a soprar suavemente o vento sul, eles pensaram que haviam obtido o que desejavam; por isso levantaram âncoras e foram navegando ao longo da costa de Creta. Pouco tempo depois, desencadeou-se da ilha um vento muito forte, chamado Nordeste. O navio foi arrastado pela tempestade, sem poder resistir ao vento; assim, cessamos as manobras e ficamos à deriva. No dia seguinte, sendo violentamente castigados pela tempestade, começaram a lançar fora a carga.”

Você reparou nas palavras “eles pensaram que haviam obtido o que desejavam” seguidas por “pouco tempo depois […] arrastados pela tempestade…”? Quantas vezes pensamos que estamos com o domínio da situação ou que os ventos estão a nosso favor, apenas fazendo o que queremos. Porém um vento contrário, uma tempestade que não escolhemos aparece para revelar nossa limitação e falta de controle.

Limitação e falta de controle. Todos nós, humanos, sabemos o que isso significa. Mas o que falta em nós sobra em Deus. Você tem se sentido limitado? O que se abateu sobre sua vida neste tempo? O que está decepcionando você? Qual é sua frustração? Lembre-se: o que falta em nós sobra em Deus. Ele tem poder sobre a tempestade! Deixe as palavras de Paulo em Atos 27:22 consolarem seu coração e acalmarem as ondas da sua mente: “Mas agora recomendo que tenham coragem, pois nenhum de vocês perderá a vida; apenas o navio será destruído.”

Às vezes, nosso barco precisa ser mexido, balançado e até afundado para que o mais importante sobreviva. Tempestades servem para provar a fragilidade de nossos planos e de nossas seguranças humanas.

Naquele sábado, o “Brincando na rua” não aconteceu. Subimos a lomba da Rua Silva Jardim – antigo endereço do prédio da nossa igreja – molhados, cabisbaixos e tristes, mas as verdades aprendidas com aquela tempestade acompanham-me até hoje. Quando me lembro dessa história, me pego rindo. Mas, naquele dia, seria muito difícil esboçar sequer um leve sorriso.
Não permita que a tristeza de hoje ou a limitação do agora o impeçam de continuar confiando no futuro de Deus para sua vida. Lembre-se de que as tempestades costumam passar. “Passada a tempestade, o ímpio já não existe, mas o justo permanece firme para sempre.” (Pv 10:25 – NVI).

Fixe sua mente e seu coração em Deus, fique firme em sua fé e quem sabe Deus concederá a você e a mim o que Ele concedeu a Paulo: o privilégio de enfrentar mais uma tempestade. “Deus, por sua graça, deu-lhe a vida de todos os que estão navegando com você’.” (At 27:24).

Música sugerida: Tempo de Deus (Kleber Lucas)

47 Tiago | DEUS SOBERANO | Ranulfo Nascimento

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 07 – Enquanto planos passageiros nos desapontam,
a dependência em Deus nos liberta.

47) DEUS SOBERANO
por Ranulfo Nascimento, em 18 de junho de 2020

“Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre.” (Hebreus 13:8)

Certamente eu e você temos expectativas e sonhos sobre o futuro. Fazemos planos para cada ano que iniciamos. Um ponto de interrogação habita no nosso interior: o que nos espera para o futuro? Essa é uma indagação de todos nós.

Eu e você vamos nos deparar com nossa limitação e falta de controle daquilo que está por vir nos próximos 10 minutos, pois confesso que tinha planos diferentes para 2020, e que não eram planos de viver dentro de uma pandemia, que nos levou a uma vida de isolamento social.

Projetamos o futuro, mas somos limitados na sua compreensão. Somente Deus tem o futuro e nossas vidas em suas mãos. Só que Ele é Senhor e faz tudo do jeito que lhe apraz! (Salmo 115:3)

Viver neste tempo de pandemia, quando o inesperado acontece em nossa vida, quando temos que mudar nossa rotina e percebermos que não temos controle de nada, fica visível nossa limitação de prever algo; realmente, isto mostra que até tentamos ter o controle de situações diversas, mas descobrimos que não temos, pois um vírus está sendo capaz de nos mostrar e ensinar isto. É uma ilusão achar que temos o controle, ainda mais no que diz respeito a respostas que buscamos para diversos dramas da vida.

O texto de Hebreus 13:8 traz a revelação do Deus de ontem, hoje e da eternidade, um Deus que tem nome: Jesus Cristo o mesmo de ontem, passado, hoje presente, amanhã futuro. Toda a história da humanidade passa pela soberania divina, quando reconhecemos que Deus é o Criador e sustentador do universo, quando percebemos que o nosso futuro está nas mãos de Deus e isso só podemos reconhecer por meio de uma revelação de quem Jesus é! Ele é Deus, que controla o nosso futuro. Se olharmos para trás e lembrarmos de onde estávamos há 5 ou 10 anos atrás, certamente poderíamos dizer que, por mais que imaginássemos, não estaríamos aonde estamos hoje, certo? Então, isto prova aquilo que a Palavra de Deus diz: que o homem faz planos, mas a resposta certa vem da boca do Senhor. (Provérbios 16:1)

É bom confiar na soberania divina. O profeta Jeremias diz que Deus tem bons pensamentos a nosso respeito, planos de paz e não de mal, para nos dar um futuro e uma esperança. (Jeremias 29:11)

Confiar nos planos de Deus significa abrir mão dos nossos, pois o plano dele é perfeito. Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com seu propósito. (Romanos 8:28)

Eu não sei você, mas eu já me vi em situações que eu fui confrontado com esta verdade da palavra de Deus. Eu, Ranulfo, já vivi momentos da minha vida em que pensei: “Será que Deus está cuidando de mim, do meu futuro, da minha família?” Já me peguei dizendo para Deus, em oração: “Esta situação está em Suas mãos.” Momentos depois, eu me via tentando resolver aquilo que disse que estava nas mãos Dele.

Eu tenho aprendido a confiar minha vida a Deus. Ele estava na criação. Ele se fez carne e habitou entre nós e em nós, o Deus do presente, que diz: “Eis que estou convosco todos os dias, até a consumação do séculos.” (Mateus 28:20). Ele nos deu o Seu Espírito, que habita em nós.

Eu e você vamos aprendendo a dependermos de Deus na nossa jornada terrena e, quando vivenciamos isso, vamos sendo libertos da nossa autossuficiência, orgulho e prepotência de que temos o controle. Nossas limitações são reveladas, nossos planos são desfeitos por Aquele que tem planos melhores e maiores. Então, confiemos que Ele não mudou. Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre.

Música sugerida: Medley Deus Supremo és/Deus Somente Deus/ Como Agradecer a Jesus (Centenário PIB Curitiba)

46 Tiago | A ANTEVISÃO SOBRENATURAL DE QUEM ORA E OBEDECE | Shane Latham

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 07 – Enquanto planos passageiros nos desapontam,
a dependência em Deus nos liberta.

46) A ANTEVISÃO SOBRENATURAL DE QUEM ORA E OBEDECE
por Shane Latham, em 17 de junho de 2020

Imagine se antes de sair da cama, antes do seu pé tocar no chão, você já tivesse certeza de que todo o empreendimento deste dia teria êxito. Imagine se o seu sucesso fosse imune às intenções dos outros, a cada interação, generosa ou desleal, levando inevitavelmente ao resultado final de que tudo coopera para o seu bem.

Bem-vindo à jornada de quem confia no Senhor!

No filme “Guerra Infinita”, da série Marvel, o herói (Dr. Estranho) retorna de um estado de transe, tendo investigado 14.000.605 futuros e achando apenas um em que os Vingadores vencem o vilão. Daquele momento em diante, a morte dos heróis, os sacrifícios incompreensíveis e aparentes derrotas acontecem no contexto da esperança, às vezes distante e nebulosa, de que estamos no caminho daquele único final feliz almejado.

Em 1 Samuel 28, o rei Saul consulta a bruxa de Endor sobre a batalha vindoura. Por anos Saul perseguiu Davi, injustamente, mas Davi era esperto e ardiloso, possuindo uma antevisão sobrenatural sobre seus próximos movimentos, pois ele consultava Deus constantemente. Agora Saul, buscando a mesma vantagem, procurava, no poder diabólico de uma médium, o conhecimento do futuro que só pertence a Deus.

Pouco tempo antes, em um lugar próximo, Davi ouve que os filisteus atacavam a cidade de Queila. Sendo um guerreiro experiente, ele poderia batalhar sem consultar a Deus. Mas desde menino, como fiel adorador, o Senhor já era seu Pastor, aquele que o guiava através dos vales da sombra da morte. Então, Davi pede direção a Deus.

“Vá, ataque os filisteus e liberte Queila”. Os soldados de Davi, porém, lhe disseram: “Aqui em Judá já estamos com medo, quanto mais se formos a Queila lutar contra as tropas dos filisteus!” Davi consultou o Senhor novamente. “Levante-se”, disse o Senhor, “vá à cidade de Queila, pois estou entregando os filisteus em suas mãos.” (1 Samuel 23:2-4)

A dúvida levantada pelas vozes ao redor, a incerteza humana, a reconsulta do herói em conflito nos identifica, mais de dois milênios depois, com este Davi vulnerável. Qual de nós, pedindo e recebendo uma orientação desafiante de Deus, não luta com o questionamento: “Será que Deus falou mesmo?”

Davi obedece e, por ele, Deus salva a cidade. O drama se intensifica quando o invejoso Saul ouve onde Davi está e se mobiliza para matá-lo. Saul, então, “carimba” o nome de Deus em seus planos malignos: “Foi dito a Saul que Davi tinha ido a Queila, e ele disse: “Deus o entregou nas minhas mãos, pois Davi se aprisionou ao entrar numa cidade com portas e trancas”. (1 Samuel 23:7).

Há uma grande diferença entre clamar a Deus antes de agir e usar um jargão espiritualizado para enfeitar planos egocêntricos. Que sejamos mais como Davi do que como Saul. Em vez de declarar uma aprovação de Deus sobre o que já decidimos fazer, clamemos a Deus por direção com a coragem e a resolução de obedecer: “Saul virá de fato, conforme teu servo ouviu? Ó Senhor, Deus de Israel, responde-me”. E o Senhor lhe disse: “Ele virá”. E Davi, novamente, perguntou: “Será que os cidadãos de Queila entregarão a mim e a meus soldados a Saul?” E o Senhor respondeu: “Entregarão”. Então Davi e seus soldados, que eram cerca de seiscentos, partiram de Queila. (1 Samuel 23:11-12 NVI)

Como um universo paralelo se abrindo diante de Davi, uma nova realidade é desenhada quando ele consulta aquele que enxerga mais do que 14.000.605 futuros. A armadilha de Saul foi evitada, a segurança da cidade e dos soldados é garantida e o futuro reino assegurado porque Davi entregou seu dia e suas decisões ao Senhor: “Quando informaram a Saul que Davi tinha fugido de Queila, ele (Saul) abandonou seu plano.” (1 Samuel 23:13)

Imagine iniciando cada dia diante do abismo, saltando para um cipó. Pendurado na promessa de Deus, agindo na revelação disponível, você atravessa o vale da sombra da morte, pela fé. Isso se torna normal, cipó após cipó. Você acorda e entrega o dia ao Senhor, recebendo com alegria a aventura que virá. Então, um dia, no lugar do cipó, sua mão é pega pela mão de Jesus, erguendo-o deste mundo das sombras para o Seu reino de luz.

Música sugerida: Help Me Find It (Ajude-me a encontrá-Lo – Legendado – Sidewalk Prophets)

45 Tiago | “PAPAI, POSSO FAZER JUNTO CONTIGO?” | Leandro Devincenzi

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 07 – Enquanto planos passageiros nos desapontam,
a dependência em Deus nos liberta.

45) “PAPAI, POSSO FAZER JUNTO CONTIGO?”
por Leandro Devincenzi, em 16 de junho de 2020

“Mas os planos do Senhor permanecem para sempre, os propósitos do seu coração, por todas as gerações.” Salmo 33:11

Gosto muito de reconhecer o amor de Deus no dia a dia, na relação de intimidade da família. Abaixo, compartilho como algumas reflexões são geradas na minha mente e no meu coração e como também conversamos sobre elas na dinâmica do nosso lar.

Como pai de três meninas, escuto bastante a pergunta: “Papai, posso fazer junto contigo?”. Ela é feita pela Helena, pela Alice e pela Ester nas mais diferentes situações da vida em movimento. Cada uma com seu jeitinho, cada uma no seu tempo. O pedido feito por elas é mais uma das oportunidades que o Pai celestial me dá de pastorear o coração das nossas filhas. Como pai imperfeito que sou, posso encarar o questionamento como uma interrupção ao que estou fazendo. Tenho aprendido, porém, um dia de cada vez, o grande privilégio e a enorme responsabilidade que tenho de deixar boas marcas e auxiliar na formação desse trio que Deus confiou a mim e à Cris.

Talvez até possam ser redundantes as expressões “junto” e “contigo” na mesma frase, mas, para mim como pai, ouvir isso das minhas filhas chega como um reforço de que elas querem fazer a determinada ação com a minha companhia. Não querem só fazer, querem estar junto.

Já no papel de filho imperfeito de um Pai celestial perfeito, tenho aprendido que posso fazer essa pergunta pessoal em minha relação com Ele no dia a dia. Como Pai perfeito que é, a pergunta para Ele não chega como interrupção.

Tenho como hábito, nas minhas orações, chamar Deus de “Paizão”. Isso certamente é influência do meu ótimo relacionamento com meu pai terreno. Na minha adolescência, chamava-o assim e acabei transferindo para o Pai celestial essa forma carinhosa de vocativo. Atento a essa marca na minha vida, intencionalmente quando oramos com nossas filhas, me refiro a Deus como Papai do céu.

Mais recentemente, ao começarmos o dia em oração, no café da manhã, escolhi tirar a expressão “do céu” para ser mais familiar ainda ao coração da Helena, da Alice e da Ester. Foi muito especial chamá-lO assim – “Papai” -, orando ao redor da mesa. Com isso, pude reconhecer, pela Sua graça, a Sua companhia atravessando gerações.

O livro “Conhecendo a Deus e fazendo sua vontade” (Henry T. Blackaby e Claude V. King) marcou profundamente minha vida. Já o estudei com amigos e com uma equipe de ministério. Em meio a diversos princípios da Palavra ali descritos, guardei um ponto central no meu coração e procuro viver a partir dele: não cabe a mim, como filho de Deus, empreender por conta própria e pedir que Deus então abençoe esse plano. Posso, com a ajuda do Paizão, conhecê-Lo, alinhar o meu coração à Sua vontade, identificar e reconhecer o que Ele já está fazendo e me juntar a Ele, cooperando nesse empreendimento do céu que está acontecendo aqui na terra. São esses os princípios que Jesus nos ensinou a orar: “Venha o teu Reino; seja feita a Tua vontade, assim na terra como no céu…”

Lembro-me de um período em que a Helena repetia sempre a mesma pergunta ao acordar: “Papai, que dia é hoje?”. Isso gerava o seguinte diálogo: “É segunda-feira, filhinha.” “O que a gente faz na segunda-feira, papai?” “Hoje a gente vai…” E a pergunta seguia pelo restante da semana.

Da mesma forma, procuro traduzir isso para as minhas “orações adultas”: “Paizão, me conduz na agenda de hoje. Quero estar sintonizado com a Tua direção em cada um dos compromissos. Papai, qual é o Teu plano para a nossa família hoje?”. À medida que vou aprendendo a conversar assim com Deus, reconheço, de forma pessoal, a condução dEle na minha jornada diária, nas pequenas decisões. Sim, porque uma vida com propósito é construída a partir de cada dia vivido nessa direção. Tendo esse relacionamento cultivado constantemente, percebo meu coração aprendendo a estar satisfeito em Deus, na companhia do meu Paizão. Os planos então são gerados a partir desse relacionamento: “Papai, posso fazer junto contigo?”.

Música sugerida: Viver pra mim é ter você (Israel Salazar)

44 Tiago | DEUS CUIDA DE MIM | Marcelo Maidana

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 07 – Enquanto planos passageiros nos desapontam,
a dependência em Deus nos liberta
.

44) DEUS CUIDA DE MIM
por Marcelo Maidana, em 15 de junho de 2020

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.” Mateus 6:33 NVI

Texto-base: Mateus 6:25-34

Por muitos anos procurei viver os meus planos para minha vida. Pensava que poderia controlar tanto os processos como os resultados. Não preciso dizer o quanto eu estava errado. Os resultados foram muitos projetos incompletos, planos frustrados e uma sensação de total incapacidade, que me deixou algumas vezes sem qualquer reação diante de muitos desafios que surgiam à minha frente.

Isso começou a mudar quando entendi que não poderia controlar todas as circunstâncias ao meu redor, e que deveria confiar em Deus, na Sua soberania e nos Seus planos para minha vida e da minha família, pois eles eram bons, perfeitos e agradáveis. (Romanos 12:2)

Creio que ainda me encontro neste processo – de abrir mão do controle -, mas a cada dia tenho aprendido a depender de Deus para tomar as melhores decisões e agir de forma a glorificar o Seu nome com minha vida. Não é um processo simples, pois tem horas que a minha humanidade quer falar mais alto. Nestes momentos, preciso submeter-me ao controle do Espírito e deixá-lO me conduzir, a fim de viver os planos dEle, e não os meus. Afinal, os sonhos de Deus são maiores que os meus para a minha vida.

Quando olho para a Palavra e leio – “Não se preocupem com sua própria vida. […] Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta.” (Mateus 6:25,26 NVI) – meu coração se enche de esperança, pois é o próprio Jesus me dizendo que eu posso descansar no Seu cuidado, pois assim como Ele cuida das aves, também cuidará de mim.

E como é bom podermos descansar no cuidado do Pai. Lembro das vezes que meus filhos adormeciam nos meus braços, como se sentiam seguros quando eu os acolhia num abraço, como acalmavam quando ouviam a minha voz. A sensação de segurança que é transmitida pela presença de um pai amoroso, que cuida com carinho e zelo, é maravilhosa.

Da mesma forma, Deus quer nos deixar seguros em Seus braços, nos transmitindo a confiança de que Ele estará presente em todos os momentos da nossa existência, mesmo naqueles em que pensamos que Ele nos virou as costas, nos abandonou. Nestes momentos, Ele está nos ensinando algo. Assim como, muitas vezes, deixamos nossos filhos viverem as suas experiências sem nenhuma intervenção de nossa parte, Deus permite que enfrentemos circunstâncias que nos farão crescer, nos conduzindo numa jornada de amadurecimento.

Minha oração é que, apesar das circunstâncias que enfrentemos em nosso cotidiano, possamos descansar em Deus e na Sua promessa de que estaria conosco todos os dias. Afinal, é Ele que conhece os planos que tem para as nossas vidas. (Jeremias 29:11-13)

Músicas sugeridas:
Os Sonhos de Deus (Preto no Branco)
Em Teus braços (Gabriel Guedes)

43 Tiago | CAIA NA REAL! | Tércio da Rosa

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 07 – Enquanto planos passageiros nos desapontam,
a dependência em Deus nos liberta.

43) CAIA NA REAL!
por Tércio da Rosa, em 14 de junho de 2020

“…só uma coisa importa…” Lucas 10:42

Talvez você já conheça o princípio e costuma recitar aquela frase que diz que “o ser vem antes do fazer”. Assim como o “ter”, o “fazer” tem um potencial gigante de subverter minha visão de mundo e até de mim mesmo. Independente do que isso represente na sua vida, a sensação de poder e controle se materializa, na prática, quando fazemos algo, quando obtemos algum resultado.

O texto de Tiago 4:13 traz um belo exemplo de PRESUNÇÃO: pessoas muito seguras quanto ao QUE e QUANDO FAZER, sobre CONTROLAR os próprios MOVIMENTOS, os DESTINOS, a DURAÇÃO dos seus PLANOS e até mesmo quanto ao CONTROLE do seu SUCESSO. E como se não bastasse a própria presunção, Tiago 4:16 mostra que ainda há espaço para a VANGLÓRIA de tal postura. O ORGULHO pela própria ARROGÂNCIA. É tanta atitude egoísta e autossuficiente que é difícil até de ler. Infelizmente isso tudo cabe dentro da gente.

Nas últimas semanas, venho realizando um importante exercício da gestão do tempo, buscando resgatar o equilíbrio como mordomo do que Deus colocou em minhas mãos. E é impressionante que, mesmo diante de uma agenda lotada e quase surreal, sou capaz de sentir satisfação e realização; o “ser” e o “fazer” se misturam e se destroem e eu ainda consigo achar algo de bom? Presunção. Orgulho. Arrogância.

No versículo 14, Tiago deixa claro que eu não sei o futuro e não controlo a vida. Ela é curta, frágil e está fora do meu controle. Tenho uma relação estranha com o tempo. Muitas vezes, acho que por “ter dado conta” do que passou e administrar bem o hoje, posso também cuidar do futuro. Ninguém conhece o futuro! Quem imaginou viver os últimos 70 dias assim? Quem eu penso que sou? Afinal, quem de fato eu sou?

Certa vez ouvi uma brincadeira: como tu vais saber quem é Deus no céu? Simples: Aquele que, na hora de dormir, disser “Até amanhã, se Eu quiser.” Só Deus conhece o futuro. Só Ele sabe meu amanhã. Não é somente a minha vida que está em Suas mãos, mas também o meu fazer. Se não existir humildade para reconhecer o “Se o Senhor quiser”, não haverá espaço para considerar o “hoje ou amanhã iremos”. A vida só acontece se Deus quiser.

Caia na real! Mesmo sendo presunçosos, Deus tem provido tudo o que precisamos. Mas não dá pra continuar agindo como se tivéssemos o controle de alguma coisa. Isso só traz dor e confusão. Hoje mesmo, decida matar o orgulho e resgatar as raízes da humildade, reconhecendo que não somos Deus, que somos finitos aqui nesta terra. Que não somos bons, somos pecadores. Que precisamos, urgentemente e sempre, da graça do Pai que, em amor, nos ajuda a vivermos em submissão (disposição para obedecer) à Sua vontade, que é boa, perfeita e agradável!

Não inverta a ordem espiritual e natural das coisas. Caia na real. Abra mão de querer saber ou fazer qualquer coisa antes de ser… e, comece sendo o que Ele diz quem você é: amado (a), santificado (a) e filho (a), para o louvor da Sua glória! (Efésios 1:4-6)

Música sugerida: Back to God (De volta a Deus) Reba McEntire

Oh, have you looked around, have you heard the sound of Mama’s cryin’?
Oh, você olhou em volta, você já ouviu o som do choro de uma mãe?

Or do you turn away when you see the face of the innocent dyin’?
Ou você se afasta quando vê o rosto dos inocentes morrendo?

In these darkest days are you not afraid that it’s too late?
Nestes dias mais sombrios você não tem medo que seja tarde demais?

You gotta get down on your knees, believe
Você tem que se ajoelhar, acredite
Fold your hands and beg and plead
Unir as mãos, implorar e implorar,
Gotta keep on praying
continuar orando.

You gotta cry, rain tears of pain
Você tem que chorar lágrimas de dor
Pound the floor and scream His name
Bater no chão e gritar Seu nome
‘Cause we’re still worth saving
Porque ainda vale a pena salvar

Can’t go on like this and live like this, we can’t love like this
Não podemos continuar assim e viver assim, não podemos amar assim
We gotta give this world back to God
Temos que devolver este mundo a Deus.

Have you lost a love? Do you feel like givin’ up? Has your heart been broken?
Você perdeu um amor? Você sente vontade de desistir? Seu coração foi partido?

Are your kids okay? Will they come home safe? Do you lie there hoping?
Seus filhos estão bem? Eles voltarão para casa em segurança? Você fica lá esperando?

You can make a wish, you can knock on wood, oh it won’t do no good!
Você pode fazer um pedido, pode bater na madeira, mas isso não vai adiantar!

Can’t go on like this and live like this
Não podemos continuar assim e viver assim
We can’t love like this
Não podemos amar assim
You can hope the best
Você pode esperar o melhor
Make a wish
Faça um desejo
The only answer is
A única resposta é
We give this world back to God
Devolvermos este mundo a Deus

42 Tiago | O MESMO AVIÃO, MAS DESTINOS DIFERENTES | Robson Ferreira

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 06 – Enquanto amizade com o mundo nos afasta de Deus, amizade com Deus nos aproxima de pessoas.

42) O MESMO AVIÃO, MAS DESTINOS DIFERENTES
por Robson Ferreira, em 13 de junho de 2020

Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou.” (João 17:15-16)

Texto-base: Tiago 4:1-12

Certa vez, um amigo precisou viajar de Porto Alegre até Salvador e a viagem teria uma conexão em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte, MG. Esse meu amigo é daqueles caras muito preocupados com a pontualidade e jamais perderia o horário do voo. Na hora certa, embarcou em Porto Alegre e desembarcou em Confins, para a conexão. Aproveitou o tempo de espera para um café, uma leitura e, no horário do voo seguinte, lá estava ele, pontualmente. Apresentou-se para o embarque, foi até seu assento e prosseguiu viagem. Logo dormiu e acordou já na preparação para o pouso, ouvindo o piloto do avião falar: – Atenção, tripulação, iniciando os procedimentos de aterrissagem. Senhores passageiros, retornem aos seus assentos. Em 10 minutos estaremos em solo. O céu em Recife está limpo e ensolarado, a temperatura local é de 32° C, obrigado por voarem conosco. Isso mesmo, ele entrou no avião que ia para o destino errado! Até hoje damos muitas risadas dessa situação.

Essa história me faz refletir que, embora o destino dele fosse Salvador, ele estava em um voo para Recife. E, em pleno ar, por mais que reclamasse, questionasse, até julgasse quem cometeu o erro, nada mudaria o fato de que, apesar do seu destino ser Salvador, estava no mesmo voo com passageiros rumo a Recife.

A Bíblia usa a palavra mundo de duas formas diferentes. A primeira delas é se referindo à criação, ao cosmos. Ao mundo criado por Deus, e é este mundo que João diz ser a causa do amor de Jesus, que Paulo afirma ansiar ardentemente pelo dia em que todas as coisas serão novamente como foram criadas. A segunda delas é para se referir ao estado atual desta criação, corrompido pelo pecado e em estado de decomposição desde que o pecado apareceu por aqui. É esse mundo que causa preocupação em Jesus quando, em oração por nós, Ele diz ao Pai: — Eu irei até Ti, mas eles (nós, seus discípulos) permanecerão no mundo. Também é este o mundo descrito em Tiago 4:1-12.

Preciso deixar claro que, tanto o cosmos quanto a corrupção deste mundo, é o lugar onde habitamos. Nós fazemos parte deste mundo e, ainda que tenhamos diferentes destinos, estamos no mesmo voo. E, após a decolagem, atitudes como julgar, murmurar e brigar não mudarão o fato de que somos passageiros do mesmo avião, apesar dos destinos diferentes.

Sabendo que estamos no mesmo avião, fica estranho alimentarmos a ideia de “nós” e “eles”, usarmos expressões como “ele é do mundo”, “essa é uma atitude de pessoas do mundo”, “no mundo as pessoas pensam assim”. Nós estamos sujeitos às mesmas tentações, fragilidades e vozes de demônios que qualquer outra pessoa. Cada vez que usamos esses termos mais nos distanciamos delas, nos colocamos em um grupo que alimenta uma ideia de santidade, ou pior, de falsa santidade.

Você faz parte desse voo, você está no mundo! E, como passageiro deste voo, se você ou qualquer outra pessoa cometer uma loucura, todos estarão sujeitos à queda do avião. No Sermão do Monte, Jesus diz que o sol nasce para os maus e para os bons, e a chuva cai para os justos e para os injustos. Assim, Ele nos ensina que a nossa relação para com todos não deve mudar, pois não faz sentido amar somente aqueles que nos amam, isso não nos trará recompensa alguma.

Então, nossa relação com o mundo deve ser uma cópia de Jesus, devemos AMAR O MUNDO! Calma, deixa eu explicar. Devemos amar tão intensamente o mundo até chegar ao ponto de odiar o que o destrói, ou seja, odiar o pecado. Devemos ser mordomos de TUDO o que Ele nos confiou, entregando TUDO o que for preciso para amar, como ELE se entregou. E se, neste voo, fizermos tudo para que a viagem seja a melhor possível para todos, buscaremos uma vida de santidade e experimentaremos as bençãos de um serviço de primeira classe! Ah, e para não deixar isso passar, ELE é o piloto desse avião e nos conduzirá em segurança para o nosso destino.

Música sugerida: Desejo do Meu Coração (Ministério Apascentar de Nova Iguaçu)

41 Tiago | AMANDO ESTE MUNDO | Pr Tércio

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 06 – Enquanto amizade com o mundo nos afasta de Deus, amizade com Deus nos aproxima de pessoas.

41) AMANDO ESTE MUNDO
por Pr. Tércio, em 12 de junho de 2020

“Pois Demas, AMANDO ESTE MUNDO, abandonou-me e foi para Tessalônica”. 2 Timóteo 4:10a

É incrível pensar na força que existe no amor. Lembro-me bem de que, quando conheci a Martinha (hoje minha esposa há 23 anos), ainda namorando, tínhamos apenas a quinta-feira pela manhã para estarmos juntos e planejarmos nosso futuro. Morávamos a mais ou menos 9 km de distância um do outro, e para garantir que teríamos bastante tempo, combinávamos que iríamos nos encontrar bem cedo. Íamos sempre para um parque próximo à casa dela. Ali, motivados pelo amor um ao outro e carregando na mochila nossas bíblias, um lençol para cobrir a grama, um lanche para o café da manhã e o violão, sentávamos num gramado lindo e passávamos horas conversando. Fazíamos nosso devocional juntos, louvávamos a Deus e tomávamos um café da manhã bem no estilo piquenique. Muitas conversas, alinhamentos sobre expectativas, o que gostaríamos de construir como pessoas neste mundo (investir em vidas), quais seriam os nossos valores inegociáveis.

Bah! Relembrando agora cada um daqueles momentos inesquecíveis, sinto-me novamente emocionado. Cada ônibus que peguei – às 5h15min – para encontrar a Martinha antes das 6h, e depois, juntos, irmos até o parque, deram sabor a cada fruto que hoje colhemos. Sonhos que projetamos, em oração, naquele tempo sobre família, filhos, amigos, investimento na vida de pessoas, ministério, aventuras com Deus, hoje são uma realidade abundantemente maior do que tudo que pedimos a Ele.

No entanto, quando penso em tudo isso, a cortina se abre e posso ver claramente que você nunca conseguirá se entregar a Deus e a ninguém, para amar e servir, se amar mais o mundo e a si mesmo.

No meio de todas essas experiências, uma verdade ainda estaria por se revelar e atravessar todas as mais otimistas expectativas que nós dois pudéssemos ter nutrido. Deus acrescentaria à nossa vida amigos para embelezar e enriquecer a nossa jornada. Foi assim! Amigos que amavam a Deus mais do que ao mundo.

Ao longo desses 23 anos, pessoas leais nos disseram a verdade quando não conseguíamos enxergar a direção certa; amigos fiéis a Deus estiveram ao nosso lado, nos modelando como pessoas, discípulos, marido, esposa, pais, homem, mulher. Amigos que nos amaram nos momentos que não merecíamos, que nos suportaram com graça quando nossas limitações se evidenciaram, que nos sustentaram em oração quando nos sentimos fracos, que nos encorajaram em momentos de dor, que nos carregaram e nos alimentaram em tempos de doença, que oraram por nós e junto a nós, amigos que nos aconselharam, amigos que sorriram conosco, amigos que choraram conosco, amigos que nos abençoaram materialmente, amigos que serviram e servem conosco até hoje, amigos que foram e sempre serão mais chegados que irmãos.

Ao lembrarmos de cada uma dessas pessoas, podemos ver Deus em suas atitudes. De fato, enquanto a amizade com o mundo nos afasta de Deus e de pessoas, a amizade com Deus nos aproxima de pessoas e nos permite mostrar e perceber Deus. A declaração de Paulo – “Pois Demas, AMANDO ESTE MUNDO, abandonou-me e foi para Tessalônica…” – deve nos levar a olharmos para nós mesmos. Ela faz parte de uma sessão de recomendações de Paulo a seu filho na fé, Timóteo. Ao lê-la, você logo pode observar o impacto das nossas escolhas quando amamos o mundo: desprezamos os que nos cercam e passamos a amar mais a nós mesmos.

O amor de Demas pelo mundo não apenas o impediu de ser irmão, de ser próximo, de ser amigo e suporte para Paulo; o levou a ABANDONAR Paulo num dos momentos em que mais lhe poderia ser útil. Paulo escreveu isso acerca de Demas quando estava na sua segunda prisão, provavelmente em 67 d.C, em Roma, um pouco antes da sua morte. Por outro lado, percebemos Timóteo, que por ser amigo de Deus, se tornou não apenas o filho na fé de Paulo, mas seu amigo, com quem ele nutria a expectativa de se encontrar e contar em qualquer circunstância.

Meu propósito, hoje, é ajudá-lo a perceber que podemos ser tão amantes do mundo a ponto de negligenciarmos o nosso amor para com pessoas que estão bem próximas de nós. Sem percebermos, podemos, como Demas, abandonarmos amigos, família, filhos, pessoas com as quais poderíamos nos tornar mais próximos que um irmão, ser socorro de Deus, um amigo, um suporte, uma mão, um abraço, uma voz.

Hoje, a minha oração é de gratidão por tantos que, por amarem a Deus, se tornaram próximos de nós e abundaram do amor dEle para conosco. Estou certo de que, quanto mais nos tornarmos amigos de Deus e menos do mundo, Ele nos fará socorro a alguém, através das nossas mãos e pés, do nosso sorriso, do nosso conselho, de tudo que somos e temos recebido das mãos daquele que, por amor ao Pai se fez nosso amigo pessoal e íntimo: Jesus, nosso Bom Pastor.

Podemos amar o mundo e ser como Demas. Mas podemos escolher amar a Deus como Timóteo e ser apoio e socorro para os que nos cercam.

Música sugerida: Não existe nada melhor (Adhemar de Campos e Grupo Resgate)

40 Tiago | CULTURA DO MUNDO X CULTURA DO REINO DE DEUS | Roberto Rodrigues

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 06 – Enquanto amizade com o mundo nos afasta de Deus, amizade com Deus nos aproxima de pessoas.

40) CULTURA DO MUNDO X CULTURA DO REINO DE DEUS
por Roberto Rodrigues, em 11 de junho de 2020

“Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. (Romanos 12:2)

Ao longo dos anos, o relacionamento dos discípulos de Jesus com a cultura na qual estão inseridos sempre se mostrou uma grande dificuldade. Em nosso país, com manifestações culturais tão ricas e variadas, esse desafio parece ainda maior. Afinal, de que modo nós, os que cremos em Jesus e adotamos os valores bíblicos, podemos nos relacionar de modo coerente com essa cultura?

A cultura retrata a condição moral e espiritual das pessoas que nela estão inseridas, ou seja, apresenta uma mistura de elementos bons e ruins. Desse modo, não existe cultura neutra ou isenta. Por mais avançada que seja, toda cultura contém valores pecaminosos, crenças equivocadas e práticas perversas que se refletem na arte, música, literatura, cinema, costumes e em tudo o mais que a compõe. Desse ponto de vista, a definição de cultura se parece com a definição bíblica para o termo “mundo”, que é o sistema de valores, crenças e práticas adotadas pelas pessoas distantes de Jesus e totalmente antagônico com o Reino de Deus.

Sendo assim, não causa estranheza perceber que os discípulos de Jesus que levam a Palavra de Deus a sério preservem uma postura cautelosa em relação à cultura, pois percebem nela traços da perversão humana. Ao mesmo tempo que a Bíblia define o mundo de maneira negativa, ela admite que existem elementos bons na sociedade, porque mesmo com a entrada do pecado no mundo, o homem ainda mantém a imagem de Deus. E o próprio Deus, agindo de maneira graciosa, concede às pessoas – cristãs ou não – capacidades, habilidades, perspicácia, criatividade, talentos naturais. Enfim, todos recebemos do Pai aquilo que chamamos de graça comum.

Por outro lado, nada é tão simples e o próprio Jesus nos revela isso. Vivendo na cultura judaica, em meio à dominação romana, Ele rompeu diversos aspectos culturais do judaísmo para a inclusão de pessoas (mulheres, doentes, samaritanos, romanos, coletores de impostos, pecadores em geral), ao mesmo tempo em que trouxe para a sua cultura elementos romanos (como a palavra ‘hipócrita’, de origem grega e muito usada nos teatros romanos). Jesus tinha a fama de “Homem de Deus”, dada por seus seguidores, e de glutão, beberrão, impostor e transgressor do judaísmo, dada por seus inimigos, todos eles vivendo dentro de um mesmo sistema cultural.

Deste modo, a grande questão sempre foi o limite, a linha de separação entre o que é lícito ou não. Até que ponto os cristãos podem desfrutar deste mundo? Até onde podem tomar parte na cultura secular? Em sua jornada ao longo dos séculos, por vezes a igreja foi considerada ignorante e retrógrada, acusada de ser um movimento contracultural. Nem sempre os críticos perceberam que, em boa parte do tempo, os discípulos de Jesus estavam reagindo ao mundo e ao que existe de pecaminoso na cultura e não à cultura em si. É preciso reconhecer que nem sempre os cristãos conseguiram distinguir entre mundo e cultura. Historicamente, há registros de grupos cristãos que se opõem à ciência, à arte, à música e à literatura em geral. Todavia, esse tipo de fundamentalismo não representa a postura cristã para com a cultura, nem reflete o ensino bíblico quanto ao assunto.

Portanto, eis o grande desafio de cada um de nós: estar no mundo, mas não pertencer a ele (João 17:14-18), tão pouco contextualizar ou contaminar o Evangelho pela cultura em que estamos inseridos. Isso significa não se conformar com os padrões culturais mundanos, mas renovar-se diariamente. Sempre que tivermos dúvidas em relação aos limites desse desafio devemos buscar a orientação de Jesus e do Espírito Santo, certos de que Eles nos guiarão a sermos sal e luz do mundo (Mateus 5:13-16).

Música sugerida: Renova Minha Mente (Emi Sousa)

39 Tiago | DISTRAÇÕES | Miguel Schmitt

APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA A VIDA – Estudos na Epístola de TIAGO
Semana 06 – Enquanto amizade com o mundo nos afasta de Deus, amizade com Deus nos aproxima de pessoas.

39) DISTRAÇÕES
por Miguel Schmitt, em 10 de junho de 2020

“Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e, em troca, darei um coração de carne.”
(Ezequiel 36:26 NVI)

Texto base: Tiago 4:1-10

Estou aqui, sentado em frente à tela do computador e em minha mente perpassam inúmeros pensamentos. Fico tentando sondar o meu coração, tentando entender por que a minha mente está tão agitada. Será pelo turbilhão de tarefas e responsabilidades que tenho diante de mim? Será pela preocupação de que este texto seja bem escrito, que agrade a você que está lendo? Talvez tudo isso e um pouco mais, talvez nada disso, mas uma coisa é certa: diante do exposto, pode-se dizer que existe um bom motivo para o título acima.

Tudo começa no coração. As perguntas acima são legítimas, mas a intenção não. O foco está em mim, na minha imagem, mas aí Deus me confronta: “Te aquieta, guri, estás preocupado em agradar a quem, a Mim ou a outros? Preocupado com as minhas prioridades ou com as tuas? Por que te distrais tanto com o que está fora, quando o que realmente vai fazer a diferença começa dentro de ti? Filho, com o teu coração focado em mim, tudo o mais se organiza.” (Salmo 46:10, versão própria).

Quando perdemos o foco no Senhor e nos distraímos com os nossos próprios desejos, nossa vaidade, nossa própria sabedoria, nos perdemos; muito mais atraídos pelo que o mundo pode nos dar do que pelo Deus que nos criou. Tentamos tornar Deus um “fornecedor” para as nossas vontades. A Palavra, pelo contrário, nos ensina que devemos buscar em primeiro lugar a Deus, com todo o nosso coração e todas as nossas forças, a amar o nosso próximo como a nós mesmos e a proclamar Jesus ao mundo para a glória de Deus. Este é o motivo de existirmos!

Nosso Deus é um Deus Santo, que não aceita uma entrega parcial de vida. Ele nos quer por inteiro! “Eu sou o Senhor, teu Deus, não terás outros deuses além de mim.” (Ex 20:2-3) Tudo aquilo que toma o lugar de Deus em nossa vida rompe a nossa relação de intimidade com Ele. Desde o Éden (Gênesis 3:5) o Diabo anda ao derredor (1 Pedro 5:8), nos atraindo de diferentes formas para enfraquecer nosso relacionamento de confiança e entrega à soberania de Deus, levando-nos a tentar governar a nossa vida por nós mesmos. Para atingir seus objetivos, Satanás nos oferece muitas distrações, desejos por coisas que não temos, insatisfações, prazeres momentâneos, anseio por poder, aceitação, entre tantas outras coisas que o mundo nos oferece. Porém, a “amizade com o mundo é inimizade com Deus” (Tiago 4:4).

Por outro lado, Satanás foge quando nos vê aos pés da cruz! Devemos, portanto, submetermos nossa vida a Deus e resistir ao Diabo, na confiança de que, se nos achegarmos a Deus, Ele se achegará a nós (Tiago 4:7-8a). Tiago, nos versículos seguintes, segue dizendo que devemos nos limpar de nossos pecados e purificar nosso coração (Tiago 4:8b), nos arrependermos (Tiago 4:9) dos nossos maus caminhos e que, se nos humilharmos (Tiago 4:10) diante do Senhor, Ele nos exaltará (cf. 2 Crônicas 7:14; Tiago 4:6; Lucas 14:11). Pois um coração quebrantado e contrito não será desprezado (Salmo 51:17). Resumindo, Tiago quer nos dizer: “Parem de tentar se afirmar e controlar sua vida por si mesmos! Abandonem o coração dividido pelas coisas vãs desse mundo! Voltem-se a Deus e permitam que o amor dEle volte a conquistar seu coração! Entreguem a sua vida em Suas mãos e deixem-se usar para a Sua obra! Onde, quando e como Ele quiser.” Ele nos quer por inteiro e de todo o coração!

Quais têm sido as tuas lutas e distrações? Ele te quer por inteiro, para te dar um novo o coração!

Música sugerida: Distrações (Amanda Rodrigues) https://www.youtube.com/watch?v=zfiXkdqsbzw